Prefeitura quer triplicar estações do Bike Poa até 2018

Vias como a Terceira Perimetral e a Sertório devem ganhar ciclovias

Já foram percorridos quase 1,5 milhão de quilômetros, o que equivale a 36 voltas ao mundo | Foto: Bruna Cabrera / Especial / CP

Já foram percorridos quase 1,5 milhão de quilômetros, o que equivale a 36 voltas ao mundo | Foto: Bruna Cabrera / Especial / CP

Com mais de 136 mil usuários cadastrados, o projeto Bike Poa completa três anos de funcionamento em 2015. A ideia da Prefeitura é triplicar o número de estações na cidade (atualmente são 40 terminais que abrigam 10 bicicletas cada um) até 2018. De acordo com o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, a expansão do projeto passa pela chegada de uma nova concessão e para isso a elaboração do cronograma é fundamental para que o projeto tenha continuidade.

“Estamos com edital pronto, fazendo revisões e estudos complementares. A entrega do documento deve ocorrer até o dia 15 de março. Em abril vamos fazer a publicação e as empresas que desejam assumir a administração terão 45 dias para elaborar e apresentar a proposta. Acredito que no final de julho teremos uma nova empresa ou teremos a continuação da Sertel”, disse em entrevista ao Correio do Povo. “Quem apresentar o menor tempo para construção destes terminais irá ganhar ponto na hora da licitação”, acrescentou.

Atualmente, a Sertel é a responsável pela manutenção das estações e das 400 bicicletas disponíveis em Porto Alegre. De acordo com a EPTC, o cuidado é diário e é realizado por equipes que percorrem todos os terminais espalhados pela cidade. As estações mais procuradas são as que ficam na Usina do Gasômetro, Redenção e no Largo Zumbi dos Palmares.

Cappellari explicou que a colocação de estações em Porto Alegre obedece a uma série de critérios que avaliam desde a demanda da região até a quantidade de prédios públicos, como escolas e shoppings. “A nossa intenção é colocar terminais que possam fazer a conexão do ciclista com outros transportes. O projeto superou as nossas expectativas e hoje Porto Alegre é um exemplo para o País em termos de transporte não motorizado. Isso fez com que a gente empregasse um cuidado diferenciado em relação às pessoas que optam por usar a bicicleta como meio de transporte. Cerca de 46% dos usuários usam a bike por necessidade, ou seja, para ir ao trabalho, não para o lazer”, relatou.

Planeta mais saudável

O Bike Poa já promoveu 591.385 mil viagens. O balanço da EPTC, feito no dia 15 de fevereiro, indica ainda algumas curiosidades sobre o projeto. Já foram percorridos quase 1,5 milhão de quilômetros, o que equivale a 36 voltas ao mundo. Com o uso das bicicletas, 202,56 toneladas de dióxido de carbono deixaram de serem emitidas na atmosfera.

Terceira Perimetral e Sertório devem ganhar ciclovias

Vanderlei Cappellari afirma que o projeto de construção de ciclovias em Porto Alegre ganhará um novo ritmo. De acordo com o diretor-presidente da EPTC, R$ 50 milhões serão destinados para novos trechos. Hoje a cidade conta com 25 quilômetros. Cappellari revelou que já existe uma diretriz para priorizar a implantação na Terceira Perimetral e junto à avenida Sertório.

Um fundo para o Plano Diretor Cicloviário irá encaminhar o processo. “Estamos numa fase de seleção do conselho gestor. A Secretaria da Fazenda já abriu a conta para receber os recursos. A maior dificuldade que encontrávamos era quando o empreendedor precisava executar a obra de um trecho pequeno”, explicou.

Implantação depende de conversa com população

Segundo o diretor da EPTC, o processo de implantação de uma ciclovia pode ser demorado porque depende de discussão com a população e, conforme Cappellari, boa parcela ainda é contrária à colocação das pistas para os ciclistas. “Fazemos uma metodologia de discussão para o Plano Diretor. É demorado, mas é necessário buscar um acordo com os moradores da região onde a ciclovia será implantada. A que colocamos na José do Patrocínio foi complicada porque tivemos oito meses de debate. A nossa diretriz é incentivar o uso de bicicleta e por isso investimos em campanhas de educação de trânsito e na boa convivência entre motoristas e ciclistas. É um sistema complexo”, ponderou.

Cappellari salientou ainda que a política de mobilidade não pode parar na administração atual “Queremos concluir a ciclovia da avenida Ipiranga e já estamos numa fase de busca de recursos importantes. O nosso desejo é que a política de mobilidade seja continuada. Obviamente, tudo isso não diz respeito somente à atual administração”, destacou.

Luiz Felipe Mello – Correio do Povo



Categorias:Aluguel de biciletas, Bicicleta, ciclovias

Tags:, ,

11 respostas

  1. Tô só aqui esperando as criticas aos ciclistas, em especial ao massa crítica.
    Por outro lado a iniciativa é louvável, só precisaria ter mais ciclovias, ou pelo menos ciclovias que ligassem um lugar a outro e não só 500m de pista do nada ao nada.

    Curtir

    • O Oscar deve estar tirando a sesta, por isso ainda não postou…

      Curtir

    • Mais um que acha que massa crítica é um grupo fechado e definido?😛

      Curtir

    • Nada tenho contra ciclovias (bem feitas) ou ciclistas. A minha crítica é quanto ao cicloativismo ideológico, invariavelmente exarado pela esquerdalha bicho-grilo muy amiga da maria joana. Além do mais, as nossas ciclovias e ciclofaixas de araque são roletas russas aos que as utilizam. Na disputa por espaço entre carros e bicicletas, sempre quem se ferra é o ciclista ou seja, eu estou numa boa.

      Curtir

  2. To tentando imaginar de onde vão tirar espaço pra terceira perimetral.
    Mas é uma excelente noticia.

    Curtir

  3. Boa notícia. Mas as estações estão jogadas às traças, eu consigo pegar bicicletas 50% das vezes que tento. Já aprendi: se há apenas uma bicicleta na estação a probabilidade de que ela tenha defeito e não consiga ser retirada é de ~99%. Muitas estações não tem nenhuma bicicleta. As que tem possuem bicicletas com pneus furados, sem espelhos ou com selim solto. Ao se ligar para o atendimento espera-se pelo menos 5 minutos, pelo menos quando atendem, os atendentes são muito cordiais.

    Curtir

  4. Boa notícia a da bikepoa, só precisa ver a manutenção das bicis.

    Sobre as ciclovias, vamos ver os projetos. A terceira perimetral deveria ter ciclovia desde o início, mas trocaram essa exigência do BID pelo plano cicloviário que eles não seguem… enfim, “lei tem várias”.

    Curtir

  5. Mais uma vez digo, poderiam ter estações na PUC, nos campi Olímpico e Vale da UFRGS, estações da Trensurb e na Arena do Grêmio.

    Outra coisa seria ter estações na porta dos terminais de ônibus. Seria muito mais atrativo para o usuário ter estações ao sair dos terminais Uruguai, Parobé e estação Mercado do que ter que dar a volta no Mercado Público e ainda correr o risco de não ter bike.

    E mais uma coisa, seria realmente interessante termos aqui em POA a distribuição dos adesivos “Eu estacionei numa ciclovia”, e também algumas variantes como “Estacionei na calçada” e “Digito no celular enquanto dirijo”, seria realmente interessante para educar quem comete essas infracções. Pena que não tem adesivos para quem está cometendo infrações como “invadi a faixa de ônibus”, “furei o sinal vermelho” ou mesmo para alguns ciclistas “andei na calçada”.

    Curtir

  6. Na Terceira Perimetral poderiam fazer no corredor de ônibus, mesmo, já que ele é quase inútil, passam pouquissimos ônibus.
    E a maioria anda só um trechinho do corredor, e sai.

    Aliás, corredor que fecham em fins de semana já escancaram a sua pouca utilidade.

    Curtir

    • A EPTC procura fazer as bikepoa próximo as ciclovias, o que até faz sentido. Como a ciclocoisa da Ipiranga não sai nunca não sei se é agora que sai estação lá…

      Sobre os adesivos, sou apoiador também.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: