Prefeitura tem plano de segurança para o Paço Municipal

 

Projeto. Prédio deve ter acesso restrito e não se descarta cercamento da praça; grades da Fonte Talavera podem ser retiradas

Área da praça Montevidéu deverá passar por modificações para reduzir a insegurança | JOEL VARGAS/PMPA.

Um plano para reforçar a segurança do prédio onde funciona a prefeitura é gestado pelo Executivo e pode mudar a paisagem da praça Montevidéu, local que abriga o imóvel, construído entre 1898 e 1901, e a fonte Talavera, criada em 1855 e presenteada a Porto Alegre em 1935. Não se descarta algum tipo de cercamento à praça e a instalação de dispositivos de segurança na entrada do edifício.

O prefeito Nelson Marchezan Jr. confirmou a existência do projeto, que tem o objetivo, segundo ele, de restringir o acesso para resguardar itens de valor existentes dentro da prefeitura. No entanto, ele não deu detalhes sobre as alterações previstas para o local. “Ali dentro a gente tem um patrimônio público de obras de arte, muitos quadros, várias exposições. Não sei como está andando, mas tem um projeto de melhorar o controle da entrada, saída e permanência lá dentro. Até para poder ter visitas orientadas etc.”, afirmou.

Os recentes episódios de vandalismo contra o prédio também inspiram uma maior proteção. O prefeito descarta a colocação de vidros à prova de balas nas janelas. O que se fala na prefeitura é sobre a instalação de itens de controle de acesso, como portal detector de metais, catraca e vidro blindex (tipo o dos bancos), tudo junto à entrada.

Ao mesmo tempo, uma ideia de Marchezan é retirar a cerca em torno da fonte Talavera. Ele revelou a proposta ao jornalista André Machado, do Grupo Bandeirantes. O prefeito concorda que as grades que separam a fonte da população tornam a praça mais feia.

A fonte foi cercada, em 2008, com uma grade de 2m de altura, maior do que a existente anteriormente. A medida foi tomada por causa da quebra da bacia da fonte, em 2005, durante protesto de carroceiros. Foi instalada uma nova bacia, fabricada pelo ateliê espanhol Artesania Talaverana, o mesmo que produziu a original. Esta, quebrada, está guardada na prefeitura.

Apoio do setor artístico

Dificultar a entrada de pessoas não tão bem-vindas ao Paço é uma medida apoiada pelo diretor do Acervo Artístico do município, Flávio Krawczyk, que administra as pinacotecas Rubem Berta e Aldo Locatelli – esta situada no prédio da prefeitura. Ele confirma que há obras de valor no local que precisam ser resguardadas. “O espaço da pinacoteca tem sensores de presença. Mas com certeza tem que melhorar. Não somente pela pinacoteca, mas também pelo prefeito, que fica ali”, disse.

Os relatos de furtos no Paço vão desde rolos de papel higiênico até celulares e notebooks. Obras de arte, até hoje não há notícia de que tenham sumido. É preciso garantir que nunca aconteça.

Jornal Metro – Porto Alegre, 29/12/2017



Categorias:Arquitetura | Urbanismo, Outros assuntos, segurança

Tags:, , ,

8 respostas

  1. Cercar a Redenção que é bom, nada né?

    Curtir

    • Imagina cercar esse areião brabo onde nem minhocas conseguem viver para inibir travestis e mendigos de se drogarem e treparem no seu interior, isso lá é pergunta que se faça?

      Curtir

  2. “plano de segurança”, apenas um embuste para poder gerar represalias a protestos que ocorram nas imediaçoes da prefeitura

    Curtir

  3. Esse prefeito é tão mentiroso, que numa das alegações da matéria ele fala em proteger o patrimônio artístico do Paço. Acontece que (aqui uma informação de coxeira vinda de colegas que trabalham no Paço) há 3 meses ele mesmo ordenou a retirada definitiva do busto de Getúlio Vargas, uma escultura famosa. Ele, aos gritos com seus assessores, mandou – Tirem essa porcaria daqui eu não gosto disso. Assim, o busto foi retirado e deixado escondido em uma sala, restando apenas o pedestal. No dia seguinte, ao chegar ao Paço e ver que haviam deixado o pedestal, o prefeito (mentiroso) vociferou novamente contra seus assessores; “Eu já disse que é pra tirar tudo, pois se deixarem o pedestal, algum fdp no futuro vai querer recolocar o busto.” E retiraram então o pedestal. Posteriormente, ele foi, depois de muita insistência, convencido pelo secretário da Cultura e recolocar o busto, mas em um lugar mais escondido, que não ficasse muito visível, pois era uma escultura importante em representatividade ao povo da cidade. Então, meio que contrariado, o prefeito aceitou o pedido do secretário e a escultura está lá agora, num canto bem obscuro abaixo da escadaria. Esse é o prefeito de Porto Alegre, o atirador de grampeadores.

    Curtir

  4. Porto Alegre (e o Brasil) tem um problema cronico que e a impunidade! A pessoa ou entidade que danificar patrimonio publico tem que arcar com os prejuizos e sofrer as consequencias juridicas/penais.

    Curtir

    • Acrescentaria a isso a falta total de respeito com o patrimônio público.
      Aqui é bonita a rebeldia de descontar a ira da mesada atrasada nos monumentos, jardins e paradas de ônibus A transgressão dos “punks de praça de alimentação” é algo genuíno de Porto Alegre.

      Curtir

      • Brasileiro tem que aprender o que são deveres, mas nas últimas décadadas só falam em “direitos”. Pra ter direito a alguma coisa tem que merecer.

        Curtir

        • Um terço da renda do brasileiro é carga tributária. Isso já não é “dever” o suficiente?

          Curtir

%d blogueiros gostam disto: