Regulamentada a lei que cria política do carvão e polo carboquímico do RS

02173642_1529095_GD

Decreto estabelece as atribuições do Comitê Gestor do Polo Carboquímico – Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini

O governador José Ivo Sartori regulamentou, nesta segunda-feira (2), através de decreto, a lei 15.047/2017, que cria a Política Estadual do Carvão Mineral e institui o Polo Carboquímico do Rio Grande do Sul. O decreto também criou o Comitê Gestor do Polo, composto por secretarias estaduais e entidades. Com isso, o governo dá mais um passo para fomentar o desenvolvimento socioeconômico do Estado. Foi assinado ainda ainda um protocolo de intenções com a empresa Copelmi Mineração para instalação de um complexo carboquímico na região do Baixo Jacuí.

Para Sartori, a ocasião serve para fortalecer a ideia de que o papel do Estado não é minerar carvão, mas contar com parceiros que tenham a expertise necessária para o desenvolvimento do setor. “Nosso estado possui uma riqueza energética muito grande. Temos 89% das reservas brasileiras, o que, em termos de energia, é três vezes mais do que o país possui em petróleo. Precisamos, mais do que nunca, transformar essas reservas em empregos e receita para o Estado”, afirmou.

Uma das oportunidades que se abre é a implantação de uma usina de gaseificação do carvão, com estimativa de investimento de US$ 4,4 bilhões. O projeto é dividido em quatro fases, constituindo-se de um complexo integrado para produção também de ureia, amônia e metanol. Na primeira fase, serão investidos US$ 1,4 bilhão na construção de uma usina para a produção de 2,14 milhões de metros cúbicos diários de gás natural sintético (GNS).

Considerando o potencial do complexo, que também inclui a produção de insumos para a indústria de fertilizantes, biocombustíveis e química em geral, o Polo Carboquímico pode gerar, em estimativa preliminar do impacto acumulado entre 2019 a 2042 no RS, R$ 23 bilhões no PIB, R$ 3 bilhões em ICMS e 7,5 mil empregos diretos.

Segundo a secretária de Minas e Energia, Susana Kakuta, a regulamentação da lei é mais um passo para fomentar o desenvolvimento da cadeia carboquímica no Estado. “Esse é um projeto importante para as regiões da Campanha e do Baixo Jacuí. Trata-se de reposicionar o carvão não mais como fonte termoelétrica, mas também para a produção de gás natural de síntese. O que se faz mundialmente, através do uso de tecnologia de ponta. Países como Japão e Alemanha já produzem gás natural a partir dessa fonte.”

O presidente da Copelmi, Cesar Faria, vê com satisfação a regulamentação dessa política de Estado. “Na área industrial, a produção de gás natural a partir do carvão vai completar a produção, tornando o Rio Grande do Sul independente para atendimento da demanda interna de gás. A Copelmi sozinha não teria como viabilizar esse projeto de tamanho impacto. Para nós, é uma satisfação saber do potencial gaúcho”, afirmou.

Comitê

O Comitê Gestor será coordenado pela Secretaria de Minas e Energia. Terá a participação das secretarias de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Planejamento, Governança e Gestão, Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler (Fepam) e Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). Também participam, como entidades federais convidadas, a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) e Agência Nacional de Mineração (DNPM/ANM).

Acompanharam o ato, no Palácio Piratini, o diretor-superintendente da Copelmi, Carlos de Faria; o diretor de Novos Negócios,  Roberto Faria; o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Evandro Fontana; a secretária do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ana Pellini; o secretário da Fazenda, Luiz Antônio Bins; e, representando o Conselho de Infraestrutura da Fiergs, Francisco Queiroz Júnior.

Portal do Governo do RS



Categorias:Economia Estadual, Outros assuntos, Polo Carboquímico

3 respostas

  1. O RS sempre na vanguarda do progresso. Carvão! kkkkk

    Curtir

  2. Não entendi o que essa lei vai permitir ou proibir na prática.

    O certo é simplesmente dizer “aqui tem carvão, peguem, só não estraguem nada do meio ambiente”.

    Curtir

  3. Vamos em frente, antes tarde do que nunca. Grande passo para nosso estado

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: