Energia eólica pela nuclear

Obras da Usina Nuclear Angra 3. Foto: Divulgação

Obras da Usina Nuclear Angra 3. Foto: Divulgação

O Brasil provavelmente recuará em seus planos de novas usinas nucleares devido a preocupações com segurança após o vazamento de 2011 no Japão, e promoverá por outro lado uma “revolução” na energia eólica, disse o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim.

Segundo ele, é “improvável” que o governo mantenha seus planos de construir quatro novas usinas nucleares até 2030 para atender a crescente demanda por eletricidade. Ele se recusou a informar quantas usinas serão construídas. Atualmente, a energia nuclear representa pouco mais de 1% da geração de energia elétrica no Brasil, mesma porcentagem das usinas eólicas e 75% a energia hidrelétrica. A geração termoelétrica movida a gás natural responde pela maior parte do restante.

A média de preços da energia eólica no Brasil caiu de R$ 148 por megawatt-hora no fim de 2009 para R$ 110 por megawatt hora este ano. “Este é o momento da energia eólica”, disse. “Houve uma revolução em termos de custos.” Diversas empresas internacionais estão investindo em energia eólica no Brasil, incluindo Enel Green Power, General Electric Co., Alstom e Gamesa Corporacion Tecnologica. O sucesso da energia eólica reduziu a ambição pela expansão da energia solar, ao menos por enquanto, disse Tolmasquim. Ele disse que a eólica é atualmente mais barata que a energia solar no Brasil, apesar ser provável que os avanços tecnológicos mudem isso.

Affonso Ritter



Categorias:Energia, Energia Eólica, Formas alternativas de energia

Tags:, ,

5 respostas

  1. Energia nuclear ainda é, de longe, a mais segura[1]. Infelizmente, quando ocorrem os acidentes, tem-se um impacto regional muito forte, gerando muito mais medo do que o que seria racional; esse medo acaba prejudicando avanços na tecnologia, e com isso ficamos com reatores de mais de 50 anos operando. Se se deixar a tecnologia avançar, construindo usinas com técnicas novas, vamos ter sistemas ainda mais seguros – especialmente quando se dominar o processo fusão nuclear.

    [1] http://nextbigfuture.com/2011/03/deaths-per-twh-by-energy-source.html

    Curtir

    • Menos letal não é sinônimo de mais segura. Quantas vidas foram afetadas pelo vazamento em Chernobyl? Quantas serão em Fukushima? Defeitos de nascença, câncer e muito sofrimento que nem sempre resulta em morte tudo isso foi ignorado por essas estatísticas.

      Curtir

      • Neste particular concordo plenamente contigo Marcelo. Sem falar no lixo atomico… pra onde vai ? A terra não tem lado de fora, não tem lixeira. Tudo que ta nela é dentro. Sou contra a produção de energia via fissão/fusão nuclear.

        Curtir

      • Marcelo, quantas pessoas morrem por ano só nas minas de carvão? O impacto na qualidade do ar delas também não é adequadamente medido, causa doenças.

        Curtir

  2. O Brasil é tão podre quando falamos em administração e organização que eles tem até medo, ja que seria um risco enorme para milhões de pessoas.

    Acho bom por isso, acho ruim por que é uma excelente fonte de energia.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: