Imagem do dia: Praça da Alfândega e sua fonte

Não necessitamos de descrição ou qualquer texto.

Foto tirada perto das 13:00 em 16/12/2014, por Gerson Ibias.

Local: Praça da Alfândega.

Não somente a famosa "mangueira amarela" parou de "pingar" água e a fonte secou, como agora o entorno virou hotel-lounge dos mendigos. Foto: Gerson Ibias

Não somente a famosa “mangueira amarela” parou de “pingar” água e a fonte secou, como agora o entorno virou hotel-lounge dos mendigos. Foto: Gerson Ibias

Bônus:

Um zoom da mangueira amarela:

Foto: Gerson Ibias

Foto: Gerson Ibias



Categorias:Outros assuntos

Tags:

27 respostas

  1. Bah, que coisa mais bagaceira…

    Curtir

  2. Não é só praça da alfandega, todas estão um lixo só! Nos tempos passados haviam jardineiro de cada praça. Eram funcionários da prefeitura. Mas isso não dá voto. Contratos com empreiteiras que com caminhões pipa lavam o chão são o novo emprego quando as folhas caducas caem nas praças. Lógico, um custo muito maior, mas são contratinhos oportunos… Não vejo problemas pobre usar da praça, não praça não é albergue e um cuidador jardineiro de praça pode muito bem cuidar disso e chamar o policiamento para remover dorminhocos ou acampamentos. Onde estão os restaurantes populares de R$1,00 em Porto Alegre? Qual é a capacidade de nossos albergues? Não é prender o sem teto, mas identifica-lo e prestar assistência social e médica adequada com recursos suficientes a demanda. O que temos em Porto Alegre, é descaso das autoridades. Onde está o a informação e prestação de contas da Prefeitura sobre o que se gasta com o dinheiro público. Que relatórios estão disponíveis? Onde? Como é feito a divulgação e promoção para participação do povo discutir o orçamento em audiências públicas. Você lembra? E da promoção eleitoral, você ainda lembra?

    Curtir

    • O Restaurante Popular fechou e nunca mais abriu.
      Olha o nível da situação:

      Sem restaurante popular em Porto Alegre, governo analisa distribuir ‘quentinhas’ (http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=172298)

      Detalhe que é uma iniciativa do governo estadual.

      Curtir

      • O restaurante fechou por falta da PPCI do Corpo de Bombeiros. Não é de defender a costumeira tolerância que as autoridades públicas tem para aquilo que é errado mas culpar a negligencia do poder público por deixar a peteca cair! Agora o projeto das quentinhas será que terá continuidade na próxima gestão estadual? A ideia o restaurante parece melhor. Mantém a via pública sem restos e pode facilmente promover no local campanhas junto aos pobres. Não sei como está agora, mas em Belo Horizonte, a população podia comprar vales refeições para doar aos pobres.

        Curtir

  3. Como é que Curitiba não tem um centro esta quantidade de indigentes ?

    Curtir

  4. Bom, mandei as fotos para o jornal Metro, ZH e Correio do Povo. Vamos ver se sai em alguma edicao nos proximos dias!!

    Curtir

  5. Muitos moradores de rua o são porque querem, na minha rua tem dois que preferem dormir na rua do que ir para casa. Não sou assistente social, mas converso com eles. Tem que ver que as pessoas tem vontade própria.

    Curtir

    • Mas a pergunta é: porque não vemos um monte de mendigos nas praças de Curitiba ?

      Curtir

      • Porque lá a vontade própria das pessoas é suplantada pela vontade do Executivo Municipal em fazê-los dormir nos albergues. Durante a Copa tive uma informação impressionante. Os mendigos do centro e do trajeto que fez parte do caminho da Copa de Poa foram transferidos para Gravataí, por uma cota de 40 reais semanais a cada um. Quando se quer esconder a sujeira pra baixo do tapete se faz qualquer coisa. Tudo é questão de vontade política. No Rio de Janeiro sumiram com os mendigos de Copacabana e em outras cidades também adotaram a mesma estratégia. Passada a Copa, tudo voltou como d’antes. O Brasil provou a máxima: “país pra inglês ver.”

        Curtir

%d blogueiros gostam disto: