Porto Alegre é o segundo destino turístico mais competitivo do país

Divulgação dos dados do Ministério do Turismo foi realizada em Brasília   Foto: Divulgação/PMPA

Divulgação dos dados do Ministério do Turismo foi realizada em Brasília   Foto: Divulgação/PMPA

O estudo Índice de Competitividade do Turismo Nacional divulgado nesta terça-feira, 16, pelo Ministério do Turismo, coloca Porto Alegre na segunda posição entre os dez destinos turísticos brasileiros que mais se desenvolveram no último ano. A capital gaúcha alcançou 80 pontos em uma escala de 0 a 100, ingressando com isso no nível 5 de competitividade, o mais alto do estudo. A primeira posição ficou com São Paulo (82,5 pontos).

A cerimônia de divulgação dos dados realizada em Brasília teve a presença do ministro do Turismo, Vinicius Lages, e foi acompanhada pelo secretário de Turismo de Porto Alegre, Luiz Fernando Moraes. “A posição alcançada por Porto Alegre é resultado de um trabalho de seis anos, em que as dimensões avaliadas pelo estudo de competitividade têm norteado nossas ações na superação das possíveis deficiências, e isso deve continuar a ser feito”, avalia Moraes.

O índice mede a evolução de 65 destinos considerados indutores do turismo brasileiro, entre capitais e não capitais, em 13 aspectos que compõem a atividade turística: infraestrutura geral, qualidade de acesso, serviços e equipamentos turísticos, atrativos, marketing e a promoção do turismo, políticas públicas, cooperação regional, monitoramento, economia local, capacidade empresarial, aspectos sociais, ambientais e culturais.

Ranking – A média geral dos destinos monitorados foi de 59,5 pontos, sendo que as capitais obtiveram 68,2 pontos, como média, e os demais municípios 53,4 pontos. Em termos nacionais, o país obteve a maior nota da série histórica do estudo, iniciada em 2008. As demais cidades com o melhor nível de desenvolvimento turístico foram, na ordem, Belo Horizonte (78,5 pontos); Rio de Janeiro (78,5pontos); Curitiba (77,9 pontos); Foz do Iguaçu (76,9 pontos); Recife (76 pontos); Brasília (75,2 pontos); Salvador (75 pontos) e Florianópolis (74,2 pontos).

A ferramenta de monitoramento que anualmente avalia a capacidade de um destino de se superar e alcançar níveis cada vez mais significativos de desenvolvimento foi desenvolvida pelo Ministério do Turismo e pelo Sebrae, com execução da Fundação Getúlio Vargas. A metodologia considerou prerrogativas do Índice de Competitividade do Fórum Econômico Mundial, que avalia diversas dimensões do setor em escala global.

Prefeitura de Porto Alegre



Categorias:TURISMO

Tags:,

25 respostas

  1. Porto Alegre. Turismo. KKKKKKKKKK

    Curtir

  2. Porto Alegre com…serviços e equipamentos turísticos, atrativos, marketing e promoção do turismo. Cumé?

    Curtir

    • Fala mais o turismólogo…
      Discorra (com propriedade científica) sobre o turismo, quero ver…

      Curtir

  3. Para quem nao percebeu, na edvaldo é proibido todo o cabeamento aéreo

    Curtir

    • Verdade e eu não tinha percebido. Talvez isso e os postes bonitinhos foram a única intervenção recente no sentido de melhorar a área para lazer e turismo.

      Curtir

  4. Beeei, to preocupado com o Brasil…

    Curtir

  5. Eu honestamente não entendi esse índice. Imagino, forçando um tanto, que POA ganhou pontos por oferecer infra para turismo de negócios e servir como ponte para serra, etc?

    Curtir

    • Recentemente a Globo rodou uma novela cuja estória era ambientada em Poa. Já no início, notaram que seria impossível gravar externas devido ao aspecto desleixado da cidade. A produção então decidiu gravar quase todas as externas em Gramado. Isso mostra muito bem o nosso nível de abandono.

      Curtir

      • Para variar escreveu muito e não disse nada. Problemas de “exegese”? hahahaha.

        Curtir

      • Felipe, recomendo uma consulta ao léxico. Vou te poupar esse sacrifício, ok. Exegese = interpretação de texto. Não basta ler palavra por palavra. É mister compreender o sentido do texto como um todo. É necessário conectar palavras e orações, de modo a decifrar a mensagem e as ideias que o texto está expondo ao leitor, fazendo assim que ele expresse com clareza o que o comunicador está querendo dizer.

        Curtir

      • Meu caro, eu entendi o que tu escreveu, pelo jeito quem tem problemas de exegese é tu. Meu ponto é que tu simplesmente não respondeu a minha pergunta, ficou no teu mimimi de sempre. Vou repetir a pergunta, refraseando:

        O que esse índice mede, afinal?

        Curtir

      • Tu queres que eu diga ou decifre o que mede esse índice? Sei lá! Quem te disse que eu sei sobre tal índice? Nunca falei sobre isso. O que eu escrevi lá no início é que a PMPA adora jogar informações obtusas e fazer propaganda positiva de suas ações mesmo que a realidade desminta-as cabalmente. Eu não faço a menor ideia do que o tal índice de competitividade significa e tampouco sei se é um indexador de fundo de quintal arbitrado nas coxas. É só uma notícia pra promover meia dúzia de apadrinhados políticos dentro da SMTUR.

        Curtir

      • Que estranho, a quantidade de propagandas que são rodadas em POA, deve ser poruq é deslizada e feia, só pode ser isto…

        Curtir

      • Pedro, tu falas em propagandas no centro histórico né…principalmente de automóveis. Essas peças publicitárias são regionalizadas para alcançarem maior apelo aos autóctones. Quando a Fiat por exemplo roda uma peça publicitária com imagens externas, ela filma em várias capitais. Depois as propagandas correspondentes são exibidas nas suas respectivas cidades.

        Curtir

      • Oscar, eu não quero que TU me responde, a minha pergunta não foi direcionada a ti, mas qualquer um que soubesse responder. Mas como tu me respondeu imaginei que seria sobre minha dúvida, não sobre algum mimimi.

        Depois, a prefeitura está sim usando o índice para propaganda, mas isso considero normal. O índice é nacional, não foi criado por ela.

        Curtir

      • Várias propagandas de TV são filmadas em Porto Alegre porque algumas das principais produtoras de vídeo do Brasil são daqui da cidade.

        Curtir

    • O Sgarbossa propos isso aqui… acho que não foi aprovado.

      Aqui custaria bilhões e é impossível.

      Curtir

      • Essa desculpa do $$ é complicada, sempre usam esse argumento, mas na Colombia os fios são enterrados e não me parece que eles sejam muito mais ricos que nós. Somos pobres é em vontade mesmo.

        Curtir

      • Minha frase final foi sarcasmo 🙂

        Curtir

    • POA, assim como o restante do país, tem um sério problema. Acredita-se que investir em coisas para embelezar a cidade é besteira. Estes senhores que tem poder para mudar as coisas parecem viver em outro mundo. Nem a questão de custo seria desculpa, pois gastar mais agora significa gastar muito menos no futuro, é uma coisa que os brasileiros desconhecem, chama-se custo-benefício. Mas o que dizer de uma cidade que até hoje não tem um padrão único de calçada? Qual seria a desculpa se nem é a prefeitura quem paga pela calçada? Vergonhoso! Na minha rua, um lado foi obrigado a tirar as muretinhas em volta das árvores/canteiros, o outro lado não… Até hoje não entendi porque tirar as muretas e pior, por que apenas de um lado da rua?

      Curtir

    • Que bom. A fiação de Curitiba é uma das piores que eu já vi. Só não é pior que Pelotas.

      Curtir

  6. Porto Alegre não tem turismo. Não tem turistas.

    Pessoas que vem aqui é só pra eventos, congressos, etc.

    Curtir

  7. O Kiko foi a escolha perfeita para representar a cidade. Aqui é onde o circense e a fantasia dão as mãos. Há outro herói que sentiria-se muito à vontade aqui; Dom Quixote de La Macha e seu mundo de fantasia.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: