Contra violência no trânsito, ciclistas realizam pedalada pelada

Trajeto por ruas de Porto Alegre visou demonstrar exposição a perigos no trânsito

Pedalada pelada reuniu dezenas de ciclistas em Porto Alegre | Foto: Paulo Nunes

Pedalada pelada reuniu dezenas de ciclistas em Porto Alegre | Foto: Paulo Nunes

Com a intenção de chamar a atenção para os perigos que os ciclistas sofrem diariamente no trânsito, Porto Alegre realizou neste sábado a quarta edição do Pedalada Pelada (também conhecida como World Naked bike) pelas ruas da cidade. Um grupo de aproximadamente 70 ciclistas saíram do largo Zumbi dos Palmares. Alguns dos integrantes da iniciativa tiraram a roupa para protestar pela forma como são tratados por alguns motoristas no trânsito da Capital.

O ciclista Fábio Cruz, um dos organizadores do evento, disse que a pedalada teve o objetivo de incentivar o uso da bicicleta nas grandes cidades e de mostrar o quanto o condutor é frágil em cima de uma bicicleta. Já Tiago Ropke, que participa há três anos da Pedalada Pelada explicou que não consegue entender a agressividade de alguns motoristas com os ciclistas. “Tiram fininho e mandam a gente andar na ciclovia”, lamentou. Jionatas Almeida, que utiliza a bicicleta para trabalhar e estudar, pediu mais respeito dos motoristas com a bicicleta e com os ciclistas.

Durante a manifestação, os participantes pintaram mensagens no corpo como “Por um trânsito sem violência”, “Não tenho parachoque”, “Respeite as mina” e “Nu. Assim você me vê do seu carro”. Quem não tirou a roupa pedalou, no caso das mulheres, de sutiã e calcinha, e dos homens, de cueca.

A manifestação que foi acompanhada por agentes da EPTC seguiu pela rua José do Patrocínio, Venâncio Aires, Vasco da Gama, Irmão José Otão, avenida Independência, ruas Florêncio Ygartua, Padre Chagas, Goethe, avenidas Osvaldo Aranha e Loureiro da Silva e retornou ao largo Zumbi dos Palmares.

Além de Porto Alegre, a Pedalada Pelada foi realizada em Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Fortaleza, Belo Horizonte e Vitória.

Correio do Povo / Cláudio Isaías



Categorias:Manifestações, Meios de Transporte / Trânsito

1 resposta

  1. legal eu sempre pensei que tava na hora da gente abolir as roupas e se livrar desta hipocrisia judaico-cristã de pecado ,maravilha.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: