Trânsito em Porto Alegre tem redução de 45% em vítimas fatais

Número de vítimas fatais caiu de 42 para 23 nos primeiros quatros meses do ano Número de vítimas fatais caiu de 42 para 23 nos primeiros quatros meses do ano. Foto: Faby Vargas/Divulgação PMPA

Número de vítimas fatais caiu de 42 para 23 nos primeiros quatros meses do ano
Número de vítimas fatais caiu de 42 para 23 nos primeiros quatros meses do ano. Foto: Faby Vargas/Divulgação PMPA

Os dados dos quatro primeiros meses deste ano na acidentalidade do trânsito na Capital, na comparação com o mesmo período do ano passado, mostraram uma redução de 38% em acidentes (de 6.770 para 4.303); menos 20% em feridos (2.427 para 1.919); menos 45% em vítimas fatais (de 42 a 23) e menos 68% em mortes de motociclistas (19 a 6). O número de mortes por atropelamentos permaneceu igual (12). A estatística foi divulgada nesta quainta-feira, 5, pela Coordenação de Informações de Trânsito (CIT) da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC).

O mês de abril encerrou com nove vítimas fatais no trânsito da Capital, uma redução de 40% em relação abril do ano passado, quando ocorreram 15 mortes. Houve redução de 26% em acidentes (1.456 a 1.077); menos 38% em feridos (753 a 464). Os dados da EPTC mostram, também, diminuição  de 55% em vítimas fatais com motos (9 a 4) e menos 40% em mortes de pedestres por atropelamentos (5 a 3).

No segmento dos ciclistas, os dados dos quatro primeiros meses deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, apresentam uma redução de 24,44% em acidentes (68 a 90); menos 19,05% em feridos (68 a 84); com uma morte (mesmo número de vítimas fatais dos quatro primeiros meses do ano passado). Em 2012, ano de início de implantação do BikePoa, 290 sofreram acidentes, contra 213 no ano passado (-26,5%); 287 feridos contra 214 (-25,4%); e cinco vítimas fatais contra três (-40%).

O diretor de Operações da EPTC, Marcelo Soletti, afirma que a redução dos conflitos demonstra uma mudança gradual nas relações do trânsito, com mais cordialidades e respeito entre todos: “Os números sinalizam uma mudança de cultura na convivência entre condutores e pedestres, com mais segurança no trânsito. A EPTC prosseguirá com ações de fiscalização, educação e engenharia de tráfego para alcançar resultados ainda melhores”. Soletti ressalta, também, o trabalho desenvolvido pela equipe do projeto Vida no Trânsito, uma parceria entre EPTC e a Secretaria Municipal da Saúde (SMS). “Os técnicos trabalham na identificação das causas de cada acidente. Este estudo possibilita um direcionamento adequado para a tomada de medidas necessárias que possibilitem a redução dos conflitos”, ressalta.

Prefeitura de Porto Alegre



Categorias:Outros assuntos

1 resposta

  1. Parabéns à EPTC. Eu apoio o trabalho dos azuizinhos.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: