Artigo: Um dia que fica na história de Porto Alegre

Uma cidade que pretende um futuro glorioso deve honrar sua história e respeitar os legados construídos. Na véspera do aniversário de 250 anos da capital de todos os gaúchos e da entrega oficial para a Cultura transformá-lo no Museu de Arte de Porto Alegre, o Paço Municipal recebeu um encontro simbólico de sete dos nove ex-prefeitos vivos: Guilherme Socias Villela, João Dib, Olívio Dutra, Raul Pont, José Fogaça, José Fortunati e Nelson Marchezan Júnior. O grande Alceu Collares foi representado por dona Neuza Canabarro, impossibilitado por razões de saúde.

Cada um dos gestores recebeu placa com o seguinte dizer: “Homenagem da cidade e dos porto-alegrenses aos prefeitos municipais que deixaram sua marca na história dos 250 anos da capital gaúcha, contribuindo para a construção de uma Porto Alegre plural e acolhedora”. Um gesto singelo, em uma solenidade proposta pela gestão com todo o respeito, a fim de agradecer o empenho de cada um, que deu o seu melhor para chegarmos na Porto Alegre de hoje.

Quando digo que esse 25 de março também é um momento histórico, quero reforçar que essas presenças, representando o reconhecimento a todos os 44 prefeitos que teve a Capital, demonstraram a grandeza daqueles que fizeram aqui sua trajetória. Nenhuma cidade vence pela obra de um só gestor. E o maior símbolo dessa realidade que acertadamente rompeu barreiras entre governos chama-se orla do Guaíba. A transformação de autoestima que Porto Alegre vive hoje deve-se muito a ter deixado de dar as costas para o rio. Uma proposta nascida com Fogaça, que virou realidade com Fortunati, foi entregue e continuada por Marchezan e, agora, com o trecho 3 concluído pela nossa administração, que trabalha também pelo trecho 2.

Estamos falando de ocupação qualificada de espaço público, prática de esportes, lazer, geração de emprego e renda com os negócios e serviços e referência para o desenvolvimento do turismo. Por todos esses ganhos de qualidade de vida que talvez ainda hoje nem tenhamos condições de mensurar na íntegra, tenho a convicção que os futuros eleitos para liderarem as políticas públicas da cidade terão a sabedoria de construir conexões para todos os 72 quilômetros de extensão de orla que temos.

Assim, celebremos a maturidade política da nossa cidade e nosso potencial de soma de esforços para transformar realidades. As amarras da máquina pública não permitem construir soluções mágicas em quatro anos. Quem quer realizar, precisa da consciência da continuidade. A cidade precisa da consciência da continuidade pelo bem do cidadão. Parabéns à cidade da nossa vida e parabéns a todos os prefeitos que dedicaram o seu tempo a fazer a Porto Alegre dos 250 anos!

Sebastião Melo
Prefeito de Porto Alegre

Link: https://prefeitura.poa.br/gp/noticias/artigo-um-dia-que-fica-na-historia-de-porto-alegre



Categorias:250 anos de Porto Alegre, Artigos

Tags:, ,

3 respostas

  1. Sabe quando você vai na casa de cultura Mario Quintana ou no Margs, vê aquele prédio lindao, antigo e conservado sendo bem utilizado e você pensa “nossa que bom que alguem teve a ideia de transformar isso em algo útil a sociedade”? Esse é o mesmo sentimento que quem for ao museu do passo municipal vai sentir!

    Curtir

  2. Ah se todos tiverem/tivessem este bom senso e reconhecimento, que bom seria.

    Curtir

Faça seu comentário aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: