Porto Alegre é contemplada em Programa de Despoluição de Bacias

Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Sarandi foi inaugurada em 11 de outubro   Foto: Cristine Rochol/PMPA

Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Sarandi foi inaugurada em 11 de outubro Foto: Cristine Rochol/PMPA

O projeto do segundo módulo da recém-inaugurada Estação de Tratamento Sarandi está entre os selecionados neste ano pelo Programa de Despoluição de Bacias Hidrográficas (Prodes) da Agência Nacional de Águas (ANA). O recurso de R$ 12.501.407,19 é para mais um módulo de 133 litros por segundo na estação da zona Norte, que permitirá a Porto Alegre ampliar em mais 3% o tratamento de esgoto e chegar a 83% de esgoto tratado em 2015, contribuindo significativamente para o atingimento da meta do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) de universalização dos serviços em 2030.

O Prodes incentiva a implantação ou ampliação de estações de tratamento para reduzir os níveis de poluição em bacias hidrográficas. Também conhecido como “programa de compra de esgoto tratado”, paga pelo esgoto efetivamente tratado em vez de financiar obras ou equipamentos.

Seleção reafirma foco da cidade em levar saneamento para toda a população

O reconhecimento obtido com a seleção de Porto Alegre no Prodes reforça o propósito da cidade em investir cada vez mais em infraestrutura de esgotamento sanitário. Para isso, a capital gaúcha vem sendo contemplada com recursos para projetos apresentados nas edições do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que conta inclusive com recursos a fundo perdido do Orçamento Geral da União (OGU). Recursos estes que contribuem e se somam às iniciativas já tomadas pela prefeitura que integram o plano de universalização dos serviços de água e esgoto na cidade, tais como a implantação do Programa Integrado Socioambiental (Pisa) – maior obra de saneamento da história de Porto Alegre, e o Sistema de Esgotamento Sanitário Sarandi (SES Sarandi).

Confira as iniciativas que a prefeitura está implantando para atingir a meta de universalização em 2030:

– Programa Integrado Socioambiental – responsável por ampliar o tratamento de esgotos de 27% para 77%. As obras estão concluídas, aguardando apenas a Licença de Operação da Fepam. Contemplam redes de esgoto na Restinga, Cavalhada, Ponta Grossa e estações de bombeamento e a Estação de Tratamento de Esgotos Serraria.

– Sistema de Esgotamento Sanitário Sarandi – vai ampliar em 18% o tratamento de esgotos. O primeiro módulo, com capacidade de 133 litros de esgoto por segundo, foi inaugurado em outubro. Com isso, Porto Alegre conta com a capacidade de tratamento de esgotos de 30%. Os outros módulos, como este selecionado no Prodes, estão previstos para implantação gradual. O sistema contempla, além da Estação de Tratamento de Esgoto Sarandi, redes de esgoto nas vilas Asa Branca, Ipê São Borja, Nova Brasília e Elisabeth, duas estações de bombeamento de esgoto.

– Conclusão das redes no Arroio Dilúvio – Estão previstos 250km de redes. São necessários 1.000km em toda a bacia e, como já foram implantados pelo Dmae 750km, faltam ainda 250km. De acordo com o Plano Diretor de Esgotos, mais 210 quilômetros ainda deverão ser implantados. O investimento total corresponde a R$ 100 milhões para retirar todo o esgoto em cinco anos (R$ 20 milhões/ano).

– Programa Zona Sul: Eu Curto. Eu Cuido – A implantação de redes coletoras de esgoto na Bacia do Arroio Capivara para tratamento na Estação Serraria (Pisa) propiciará melhorias na qualidade das águas do Lago Guaíba junto à baía de Ipanema, contribuindo para o resgate das condições de balneabilidade da praia. Apesar de 71,26% dos domicílios terem rede de esgoto cloacal passando pela frente, os arroios desta região da cidade se apresentam com elevado grau de contaminação bacteriológica. Tal quadro se deve ainda à necessidade da implantação de coletores-tronco e de redes coletoras, bem como retirar as interferências destas redes na rede pluvial e buscar a regularização nas ligações domiciliares nas redes cloacais existentes.

Projetos contemplados no PAC 2 – Fase 3:

– Estação de Bombeamento Bom Sucesso: com essa obra, os esgotos coletados na área da Lomba do Pinheiro serão conduzidos para tratamento na ETE Serraria. A capacidade da estação será de 30,65 litros por segundo de esgoto.
População beneficiada: 9 mil moradores
Investimento: R$ 1,5 milhão (com recursos do Orçamento Geral da União).

– Coletor-tronco Salso-Oeste – Trecho 2: prevê a implantação de mais de 10,5km de coletor-tronco na região Sudeste do município (área de nascente do Arroio do Salso) e também vai encaminhar esses esgotos para tratamento na Estação Serraria.
População beneficiada: 11.524 habitantes
Investimento: R$ 5,4 milhões (com recursos do Orçamento Geral da União – OGU).

– Coletor-tronco Cavalhada – Trechos 1 e 2: mais 2,3km de coletor tronco para a bacia do Arroio Cavalhada que também vai coletar e tratar os esgotos, contribuindo para a recuperação dos arroios Passo Fundo e Cavalhada.
População beneficiada: 27.551 habitantes
Investimento: R$ 2,2 milhões (com recursos do Orçamento Geral da União)

– Coletor-tronco Arroio Espírito Santo: também vai contribuir para a melhoria da qualidade da água do Guaíba. Integra a Campanha Zona Sul: Eu Curto. Eu Cuido., que visa à retomada da balneabilidade da Praia de Ipanema em 2014. Serão implantados 3,6km de coletor-tronco para retirar os esgotos na bacia do Arroio Espírito Santo, beneficiando diretamente moradores dos bairros Ipanema, Espírito Santo e Aberta dos Morros e indiretamente toda a cidade.
População beneficiada: 14.610 habitantes
Investimento: R$ 2,2 milhões (com recursos do Orçamento Geral da União).

– Redes Sarandi – Lotes 2B e 2C – implantação de 6,5km de redes coletoras de esgoto na vila Elizabeth.
População beneficiada: 3 mil habitantes. Região: Norte.
Investimento: R$ 4,3 milhões (com recursos do Orçamento Geral da União – OGU).

Projetos contemplados no PAC 3 – Fase 4:

– Implantação de 25,95km de redes coletoras na Bacia do Arroio Dilúvio: para tratamento na Estação Serraria (PISA).

População beneficiada: cerca de 140 mil pessoas (10% da população total de Porto Alegre).
Valor solicitado: R$ 20.340.803,21

– Implantação de 26,07km de redes coletoras de esgoto na Bacia do Arroio Capivara: Integra a campanha Zona Sul: Eu Curto. Eu Cuido., Esgotos coletados serão conduzidos para a Estação Serraria (Pisa).
População beneficiada: cerca de 20 mil pessoas (1,42% da população total de Porto Alegre).
Valor solicitado:R$ 23.220.433,49

– Implantação de 14,75km de redes coletoras de esgotos sanitários na Vila Elizabeth: Integra o Sistema de Esgotamento Sanitário Sarandi. Esgotos coletados serão conduzidos para a Estação Sarandi, recém-inaugurada.
População beneficiada: cerca de 6 mil pessoas (Vila Elizabeth, bairro Sarandi)
Valor solicitado: R$ 11.996.494,38

– Implantação de 25km de redes coletoras na sub-bacia AA-2 da Bacia do Arroio da Areia: Esgotos coletados serão conduzidos para a Estação São João Navegantes, localizada na Zona Norte de Porto Alegre.
População beneficiada: R$ 46 mil habitantes
Valor solicitado:R$ 16.210.187,25

– Implantação de 18,83km de redes coletoras nas sub-bacias AS-2 e AS-7 da Bacia do Arroio do Salso (zona sul de Porto Alegre): Esgotos coletados serão conduzidos para a Estação Serraria (Pisa).
População beneficiada: 10 mil pessoas
Valor solicitado: R$ 11.741.753,14

Prefeitura de POA



Categorias:Despoluição do Guaíba, Programa Sócio Ambiental

Tags:, ,

2 respostas

  1. Não sou muito conhecedor deste assunto mas segundo estudos da METROPLAN através da coordenação de resíduos sólidos, que tive acesso. Porto Alegre, Canoas e São Leopoldo estariam entrando numa zona perigosa de poluição de suas respectivas bacias em 5 ou 10 anos (sendo que os estudos são datados de 2009).
    .
    Ojala! Que haja bom senso na ‘burrocracia’ para inicio das obras.

    Curtir

  2. Importante.
    Mas não adianta fazer isso se a população continuar porca, e o povo, empresas, industrias entre outros continuarem jogando lixo e esgoto nos rios, riachos, arroios e tudo mais.

    Mas é um bom começo.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: