Cais Mauá será polo de design e decoração

Projeto dos espaços dos armazéns do Cais Mauá| Escritório Jaime Lerner

Projeto dos espaços dos armazéns do Cais Mauá| Escritório Jaime Lerner

Com estimativa de começo da operação nos armazéns para o primeiro semestre de 2016, a Cais Mauá do Brasil deu início ao processo de comercialização de espaços. De inspiração francesa e tombados pelo patrimônio histórico, as charmosas edificações construídas na década de 1920 na antiga região portuária de Porto Alegre concentrarão operações de design e decoração, além de uma área importante de serviços,gastronomia, cultura e um total de nove praças que vão abrigar espaços para crianças, bicicletários, áreas de estar, de exercícios físicos e áreas gramadas de ócio.

“Fizemos um estudo de viabilidade e percebemos que a capital gaúcha não possui um polo de design como São Paulo e Rio de Janeiro. Além da oportunidade de trazer algo novo para cidade, a arquitetura dos armazéns favorece este tipo de operação”, destaca Andre Albuquerque, presidente da Cais Mauá do Brasil, empresa responsável pela gestão do projeto de revitalização.
A equipe técnica do projeto realizou visitas de benchmarking em alguns portos revitalizados pelo mundo. O objetivo foi buscar referências para a operação em Porto Alegre. Ao todo foram quatro destinos: Victoria & Alfred Waterfront, na Cidade do Cabo; Port Vell, em Barcelona; Porto Antico, em Genova; e Inner Harbor, em Baltimore. Para definir o perfil de empreendimentos dos armazéns, a Cais Mauá também contratou duas das maiores empresas de pesquisa do Brasil, a Ibope e Grupo de Estudos Urbanos (GEU). O resultado mostra que a área precisa ter atrações para todas as classes sociais porque a região é frequentada por públicos diversos. Considerando as características arquitetônicas dos armazéns e sua disposição, a opção foi pela criação de um empreendimento misto com um polo de design e opções de entretenimento, cultura e serviços, viabilizando algo inédito para a capital.

A ABL (área bruta locável) projetada para esta primeira fase é de 11.870 m². Os armazéns A e B serão destinados para operações culturais e as áreas entre os armazéns A1 ao A6 vão abrigar lojas de design e decoração, além de operações de gastronomia. Entre estes armazéns serão criadas praças e espaços de convivência para a população. No armazém B1 haverá uma praça de alimentação, com capacidade para até 11 operações de fast-food. O armazém B2 será destinado a espaços de conveniência e serviços, abrigando uma média de 20 lojas. No armazém B3 vai funcionar um terminal hidroviário, com venda de passagens das operadoras de turismo e transporte.

Segundo Albuquerque, os espaços serão locados por cinco anos e os empreendimentos nos armazéns deverão começar a operar no primeiro semestre de 2016. O projeto totalcontempla a construção de um shopping center, ao lado da Usina do Gasômetro, torres comerciais com lajes corporativas, hotéis e um centro de entretenimento, totalizando aproximadamente R$ 650 milhões em investimentos. Para a segunda fase, a estimativa é de cinco anos para construção e licenciamento.

Sobre a revitalização do Cais Mauá

Espaços de convivência de acordo com o projeto de revitalização| Escritório Jaime Lerner

Espaços de convivência de acordo com o projeto de revitalização| Escritório Jaime Lerner

O projeto Cais Mauá prevê a restauração e a revitalização de uma área de aproximadamente três quilômetros de extensão na antiga região portuária de Porto Alegre, envolvendo 11 armazéns construídos na década de 1920 sob inspiração francesa, e tombados pelo patrimônio histórico, o prédio da Secretaria de Portos e Hidrovias (SPH), que será transformado em um hotel boutique, e o antigo prédio do frigorífico, que será transformado em um centro de entretenimento.

Um dos aspectos importantes do projeto é a criação de áreas de convivência em nove praças que vão abrigar espaços para crianças, bicicletários, áreas de estar, de exercícios físicos, áreas gramadas de ócio e fonte d’água. A maior praça será a que fica ao lado do antigo frigorífico com 4,2 mil metros quadrados. O local traz esculturas de pedras portuguesas, que serão restauradas e devolvidas para população.

A segunda fase do projeto de revitalização do Cais Mauá contempla a construção de um shopping center, ao lado da Usina do Gasômetro, torres comerciais com lajes corporativas, um hotel e um centro de entretenimento. A expectativa de geração de empregos diretos é de mais de 4.800 postos de trabalho.

A área de influência do Cais Mauá será toda região expandida de Porto Alegre, abrangendo 13 cidades, com mais de 3,3 milhões de habitantes e R$ 4,4 bilhões de renda total mensal. Para facilitar a mobilidade urbana, haverá conectividade com a rede de transporte público, criando uma conexão eficiente entre as principais regiões da capital e proximidades. A ABL do shopping é de aproximadamente 24 mil m². O shopping ainda não tem data para começar a ser erguido.

Sobre a Cais Mauá do Brasil

A Cais Mauá do Brasil S.A. é a empresa responsável pela gestão do projeto de revitalização e operação do Cais Mauá de Porto Alegre. A área foi arrendada pela empresa por um período de 25 anos renovável por mais 25 anos.

Com informações da Assessoria da Cais Mauá

SUL 21



Categorias:ORLA, Projeto de Revitalização do Cais Mauá

Tags:, , , , , ,

38 respostas

  1. Quando estudos estatisticos dão a respostas errada – porto alegre tmb nao tem um polo aeroespacial – nao seria uma de colocar lojas de equipamentos pra foguete no cais?
    Para mim, essa solução é para nao competir com nenhum outro shopping.

    Curtir

  2. kkkkkkkkkkkkkkkk vcs estão no país errado. Vão pra India. Se o espaço é público, não tem como separar nós pobres da elite. O problema está na proposta apresentada e não nas pessoas que irão frequentar o local.

    Curtir

  3. Essa história de tentar atender à todas as classes é difícil. Melhor seria reservar um galpão para os pagodeiros e deixar os outros para as pessoas ‘normais’.

    Curtir

  4. Só falta abrir uma loja da Carmem Flores lá rsrs.

    Curtir

  5. É uma grande cagada querer que uma atividade única e espaçosa como essa transforme o cais. Orla que se preze tem diversidade de atividades, conecta-se com o entorno urbano e passa a ser um eixo.

    Leitura recomendada: http://www.pps.org/reference/turnwaterfrontaround/

    Curtir

  6. O importante é fazerem a obra. Depois, podem tentar essa proposta, que sabemos que não funciona.
    Trocarão para restaurantes, bares e livrarias.

    Curtir

  7. Definitivamente, nos resta rezar para que esse grupo que assumiu não ter dinheiro e acabar sendo destituído. Mais uma decepção à vista para Porto Alegre…

    Curtir

  8. Era pra ficar pronto antes da Copa…depois prometeram parcialmente para a Copa….agora “estimativa” para 2016?
    Bla.bla.bla.
    Acho que depois de tanta burocracia, ecoxiitismo e falta de investidores a coisa vai sair so Deus sabe.

    Curtir

  9. Achei de chorar a proposta. Esperava algo mais diversificado.

    E não entendi as paredes transparentes no segundo render.

    Curtir

    • Pior, não vi nada de novo no render, vão só pintar e dar um trato nos galpoes e pintar um ou dois guindastes, o projeto original foi todo deturpado.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: