Estudo para expansão do Trensurb deve ser entregue até o fim do mês

Ideia é levar o transporte até o município de Sapiranga, no Vale do Sinos

Segundo a Trensurb, já foram elaborados o relatório de caracterização da área da estudo  Crédito: Tarsila Pereira / CP Memória

Segundo a Trensurb, já foram elaborados o relatório de caracterização da área da estudo
Crédito: Tarsila Pereira / CP Memória

O estudo de expansão da linha da Trensurb até o município de Sapiranga, no Vale do Sinos, deve ser entregue neste mês. Com o prazo inicialmente estabelecido para maio, o novo prazo contratual expira no final de agosto. “A prorrogação se deve a uma questão bastante simples: iniciamos o trabalho de pesquisa de campo e de demanda em novembro. Como dezembro, janeiro e fevereiro são meses atípicos, de férias, tivemos que prorrogar o levantamento até março e abril deste ano, para termos uma amostra mais típica”, explica o superintendente de Desenvolvimento e Expansão da Trensurb, Ernani Fagundes.

Segundo a Trensurb, já foram elaborados o relatório de caracterização da área da estudo, por meio de uma avaliação da situação atual do transporte coletivo que atende à região, além de levantamentos de dados socioeconômicos da população e seus hábitos de deslocamentos; o relatório de estudo de demanda, em que foram realizadas pesquisas de campo nos veículos de transporte coletivo e individual que circulam pela região e em cruzamentos das principais vias; e o relatório de avaliação ambiental. O estudo está sendo realizado pela Oficina Consultores Associados. O valor da contratação é de R$ 1,49 milhões.

Para a entrega do estudo, ainda falta a elaboração do relatório das diretrizes tecnológicas, que avaliará as alternativas de itinerário, localização das estações e definição da tecnologia ideal para ser utilizada. Conforme a prefeita de Sapiranga, Corinha Molling, até o momento o município não foi consultado para o estudo. “Temos algumas opiniões que poderíamos compartilhar”, diz. Para a prefeita, a chegada do trem a Sapiranga é inevitável. “Promovemos duas audiências públicas em 2013 com a Trensurb, quando discutimos a ampliação até o município. Estamos aguardando novas informações sobre o projeto”.

Correio do Povo

____________________________

Não acho que seja uma boa época para pensar e gastar dinheiro nesta expansão além da área mais densa da RMPA. Poderiam ser utilizados outros tipos de modais para fazer esta interligação com estas cidades além de Novo Hamburgo. Por que não o próprio Aeromóvel ? De NH poderiam sair linhas de aeromóvel para Sapiranga, Campo Bom, Estância Velha, etc.

Deveriam agora, gastar tempo e dinheiro para outras linhas do Metrô e estudos complementares para aperfeiçoamento do transporte na região.



Categorias:Meios de Transporte / Trânsito, Trensurb

Tags:, , ,

23 respostas

  1. A expansão da trensurb deveria se estender em direção a Cachoeirinha e Gravatai. Agora como tudo aqui é muito complicado para sair alguma coisa certamente levará anos e anos para uma solução de qualidade de mobilidade a população. A Grande Poa está crescendo muito rapidamente com polos industriais de grande porte e a solução passa por medidas urgentes de mobilidade.

    Curtir

  2. Nada como uma eleição…Agora vão começar a espocar projetos por todo o lado…Sair od papel é outra história.
    Aliás, interessante como faltando 2 meses para as eleições, começaram a surgir brigadianos aos montes em Porto Alegre…por que será ?

    Curtir

  3. Lembro-me que a própria Trensurb havia dito que a tecnologia a ser adotada na expansão para Sapiranga não seria necessariamente usando os mesmos tipos de trem das séries 100 e 200, e que haviam grandes chances de se usar VLT ou mesmo aeromóvel. Afinal de contas não será um prolongamento ou bifurcação da linha 1, e sim uma nova linha. Aliás, acho que essa linha não deveria simplesmente conectar a linha 1 à Sapiranga, e sim se estender aos municípios do outro lado da linha, como Portão. Assim, essa linha não seria somente uma alimentadora da Linha 1, mas sim um troncal para a região. Além de não criar o problema de ter uma estação fim de linha justamente na conexão com outra, o que concentra passageiros em uma estação ao invés de distribui-los.

    Mas o mais interessante mesmo, é notar como municípios menores como Canoas e Sapiranga conseguem recursos para novas linhas, mesmo que de aeromóvel, e o metrô de Poa se arrasta como uma novela. Inclusive o próprio aeromóvel da zona sul foi cancelado pela prefeitura com a desculpa de que no momento ela prefere se dedicar a acabar as obras da copa.

    Curtir

    • O metrô de Poa é uma obra bem mais cara, por ser subterrâneo, por isso a dificuldade de captação de recursos.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: