OPINIÃO DE LEIGO TEM TANTA VALIDADE QUANTO UMA NOTA DE R$ 3

Dizem que: “de médico e louco todos temos um pouco”; realmente temos o habito de opinar em áreas que não são de nossa especialidade, mas tomar essas opiniões como verdade é preocupante. Exemplo disso foi à opinião emitida por um matemático referente a uma obra de engenharia. Esta comparação de laranjas e melancias colocou em dúvida a opinião de milhões de gaúchos no que se refere à construção da Segunda Ponte do Guaíba.

O Movimento não questiona as qualidades e nem o profissionalismo do Matemático apenas estamos manifestando o que para nós foi uma informação totalmente equivocada na comparação da Segunda Ponte do Guaíba com a Ponte do Rio Paraná.

O Movimento é composto por profissionais de diversas áreas, inclusive engenheiros, entretanto não queremos cometer o mesmo equivoco e analisar dados que não são de nossa especialidade (somos um movimento da sociedade civil), por isso, publicaremos abaixo um quadro com informações, retiradas do site do DNIT, e deixaremos a análise aos técnicos. Ressaltamos que estamos buscando a devida comparação com os profissionais de engenharia.

O Movimento vem buscando a construção da Segunda Ponte desde 2006 e apenas o Projeto de Viabilidade (EVTEA) e Traçado foi concluído em 13 de maio de 2011, e assim mesmo, o Estudo ainda não foi remetido à Brasília, embora tenha sido solicitado (em 18 de março) pela Presidente Dilma Rousseff, com prazo de 15 dias.

Não somos os donos da verdade e nem queremos dizer que não aceitamos opiniões, pelo contrário estamos sempre abertos a manifestações construtivas, inclusive se as informações do matemático estivessem fundamentadas por Técnicos, tenham certeza de que essa manifestação estaria sendo ao seu favor.

Não compactuamos com os fatos ocorridos nos órgãos responsáveis pela Construção da Segunda Ponte no Guaíba, até que nos prove contrário os valores citados estão corretos. Se em descordo aguardamos manifestação.

Luiz Domingues
Presidente e Lider do Movimento Ponte do Guaíba

FUNDADO AOS 11 DIAS DO MÊS DE MARÇO 2006




Categorias:Nova ponte Guaíba

Tags:

7 respostas

  1. Caro Gilberto

    Estive algum tempo assoberbado de trabalho e depois parti para umas curtas férias e não pude dar a devida atenção ao caso Ponte do Guaíba x Ponte do Rio Paraná. Mas olhando rapidamente se vê que a Zero Hora mais uma vez praticou um jornalismo marrom. Primeiro comparando obras incomparáveis e segundo, comparando obras de forma totalmente inadequada beirando um jornalismo criminoso. Uma ponte, como bem esclareceu o Hermes acima, deve ser comparada com obras similares, por exemplo, a ponte do Guaíba deverá permitir a passagem de navios de porte médio, isto conduzirá a pilares extremamente altos e esbeltos. Se perguntarem a qualquer engenheiro que trabalha em estruturas, quanto custa um pilar de dez a vinte metros de altura para por exemplo uma carga de 1000 ton em relação a pilares de cinquenta metros de altura a cargas cinco a dez vezes superiores a esta, ele dará uma resposta que é o mesmo que comparar uma casa do “Minha casa, minha vida” com um apartamento de luxo na Bela-Vista, logo antes de ficar gritando e chamando a atenção para super-faturamentos que ainda não ocorreram era melhor procurar os que ocorreram!

    Quanto ao Adriano, acho que estás também caindo no mesmo erro, para comparar obras temos que saber algo sobre ela, e não é difícil, uma pessoa de bom senso, com alguma informação consegue uma ordem de grandeza, tens que ver que ponte é esta em Curitiba, não é só o m² que importa, também tem muitos outros fatores, que olhando com cuidado qualquer um compreende.

    Curtir

  2. correção: Falta informação pra população

    Curtir

  3. Tá, agora esclareçam por que a ponte do guaiba vai ter 10x o total de m2 construidos que a ponte de Curitiba.

    Falta informação, que é quem tá pagando esse treco bilionario. Cadê a planta da proposta? Se já tem area total calculada certamente já tem uma planta feita.

    Curtir

  4. Então, para não se cometer injustiça ou comparar coisas diferentes, basta descobrir quanto custaria essa ponte, se ela tivesse sido erguida pela Concepa há algum tempo atrás. Tenho certeza que bem menos que o valor orçado pelo DNIT.
    .

    Curtir

  5. Também não é tão simples assim. Acho que tem mais leigos dando palpite por aqui … Não vi detalhes de custos, na comparação feita no post, sobre outros itens – infraestrutura, mesoestrutura e superestrutura (tabuleiro). O custo também tem que considerar a seção típica de pontes/volume de concreto. Em setembro de 2008, por exemplo, o preço médio do tabuleiro, para grandes pontes, era de R$ 4.744,80/metro quadrado (valores DNIT). Em relação ao valor “oficial”, a variação é de 21,85%…

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: