Empresas privadas investem em paraciclos

Infraestrutura para atender aos ciclistas na Capital ainda é muito reduzida

Cláudia Rodrigues Barbosa

Rede Safe Park ainda oferece espaços de forma gratuita MARCELO G. RIBEIRO/JC

Está consolidada no País a tendência mundial de usar a bicicleta como meio de transporte. Porto Alegre inaugurou em setembro o sistema de aluguel das chamadas “magrelas”. Duas ciclovias estão em construção na Capital. A infraestrutura para comportar a locomoção não motorizada, porém, ainda é muito escassa. Ainda não existe regulamentação para os paraciclos, mas empresas privadas estão investindo no público que gosta de pedalar.

A rede Safe Park, por exemplo, oferece estacionamento para as bicicletas em dois dos seus espaços na Capital (no 5° Avenida Center e no Museu Iberê Camargo), de forma gratuita. O projeto da companhia é instalar em três estacionamentos, nas zonas Norte, Centro e Sul, paraciclos com estruturas que atendam aos ciclistas, como armários para guardar os equipamentos com segurança, bancos e possibilidade de pernoite. A diferença é que o serviço será tarifado. A escolha dos três pontos está diretamente ligada à possibilidade futura de integração com outros modais de transporte público.

Segundo a assessoria da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), estão à disposição dos usuários paraciclos no Theatro São Pedro, no Mercado Público, na EPTC e em 12 pontos no bairro Cidade Baixa. “Não temos uma listagem completa porque eles estão surgindo diariamente, e a regulamentação está num limbo entre a EPTC e a Smov (Secretaria Municipal de Obras e Viação)”, fala Antonio Vigna, gerente de Projetos Especiais da EPTC.

Enquanto não há uma definição sobre a legislação, a EPTC apenas orienta que os paraciclos em lugares públicos respeitem as diretrizes da cidade. “Eles devem ter cor cinza e sem arestas vivas, para evitar acidentes”, informa Vigna. Quanto aos bicicletários em ambientes privados, fica a critério dos proprietários, inclusive a comercialização. “Os shoppings e o supermercado Zaffari já possuem locais reservados para as bicicletas, mas ainda não estão fazendo propaganda da oferta. Eu acho que é só uma questão de tempo para começarem a divulgar, e tenho convicção de que não cobrarão por isso. Seria uma bola fora custear esse serviço”, avalia.

Jornal do Comércio



Categorias:Bicicleta, paraciclos

Tags:, ,

4 respostas

  1. Quanto será que custa um local para guardar bicicletas hoje em dia?

    Antigamente pagavamos 30 reais por mês la perto de casa, era um bom valor…

    Curtir

  2. Os paraciclos da cidade baixa são bem ruinzinhos, se são os que estou pensando. Os da frente da sorveteria jóia já se quebraram até, pois os carros estacionados encostam o parachoque neles.

    Podem reclamar dos do mercado público por serem feios, mas ao menos aqueles têm um tamanho adequado.

    Curtir

  3. Legal que a Safe Park não considera a popularização das bicicletas como prejudiciais ao seu negócio, ao contrário da EPTC.

    Curtir

%d blogueiros gostam disto: