Concurso para o Centro de Eventos é moralmente obrigatório (atualizado)

Neste momento em que tenta-se definir o local para o Centro de Eventos do Rio Grande do Sul, imagino como estão acontecendo os fatos.

Veja esta pequena linha de tempo:

1. O Governador Tarso Genro escolhe Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos do mundo, brasileiro, com 104 anos de idade, para ser o responsável pelo projeto do nosso centro de eventos;

2. Oscar Niemeyer aceita o convite;

3. Procede-se a escolha das áreas mais interessantes para a construção do Centro, que deve ter entre 60 e 100 mil m² de área construída;

4. Duas áreas sobressaem para a sua localização: a) ao lado do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio e b) no Morro Santa Tereza, em Porto Alegre. Uma grande campanha nasce nas redes sociais e blogs para que seja no Morro Santa Tereza, oportunidade para revitalizar tão bonita e abandonada área;

5. Simplesmente a opinião pública, imprensa, blogs, redes sociais já tem como certa a escolha do Morro Santa Tereza, que também tem simpatia do Governo do Estado;

6. Provavelmente o arquiteto já procedeu alguns rabiscos com base na área onde provavelmente seria o centro;

7. Iniciam campanhas de outras cidades para ter o centro de eventos. Canoas, Sapucaia, Guaíba, São Leopoldo, Viamão, etc, também querem;

8. Oscar Niemeyer falece;

9. O Morro Santa Tereza ganha a simpatia de todos inclusive da equipe do escritório do falecido Oscar Niemeyer;

10. De uma hora para outra, sem justificativas oficiais, o Estado do RS desiste da área do Morro e passa-se a procurar novas áreas em Porto Alegre;

11. Os rabiscos feitos foram para a área do Morro Santa Tereza. Quem fará o projeto, seja para qual área for a escolhida, será algum ou alguns arquitetos do escritório do Oscar Niemeyer, mas não ele. Me parece que sequer haverá ideia do ON no projeto.

_______________________

Agora fica a eterna dúvida:  o arquiteto Oscar Niemeyer fez rabiscos genéricos para uma forma que se encaixaria em qualquer terreno ?

Ou ele nem chegou a fazer rabiscos ou esboços ?

Por que temos que engolir um projeto de um arquiteto que já faleceu só porque ele era famoso ?

Portanto, não devemos e não podemos aceitar um projeto de um escritório o qual nem sabemos por qual arquiteto será feito (do escritório do ON).

Sugiro começarmos uma campanha por um concurso internacional para o nosso centro de eventos.

Aguardo inclusive apoio de entidades ligadas à arquitetura no RS.

centro-eventos-concurso-ja

Para relatar ao MP que a contratação do Oscar Niemeyer (falecido) é ilegal:

Acessem http://www.mp.rs.gov.br/siac/formulario

Copie e cole o texto abaixo e envie.

Protocolo: RD.01413.00270/2013

Unidade Responsável: SERVIÇO DE INFORMAÇÕES E ATENDIMENTO AO CIDADÃO – SIAC

“O governo do estado contratou o arquiteto Oscar Niemeyer para executar o projeto do centro de eventos do rs, alegando a figura do notório saber para dispensar licitação/ concurso público. Recentemente o arquiteto faleceu, mas o governo insiste em levar adiante a contratação falando, agora, que o projeto será feito pelo “escritório do arquiteto Oscar Niemeyer”. Ora, notório saber é pessoal e intransferível, e o bom senso indica que cessada a possibilidade do mesmo ser posto em prática, cessam todas e quaisquer tratativas anteriormente alicerçadas na justificativa. Como não há ainda um terreno escolhido para o empreendimento, e a mais básica premissa do projeto de arquitetura determina que só há uma concepção original quando associada a um lugar específico, eventuais alegações de que o arquiteto Oscar fez um “esboço” ou uma “idéia” para o dito centro devem ser, evidentemente, desconsideradas. Portanto, é dever do MP fazer cessar todo e qualquer relacionamento do governo do estado com o referido escritório, pois trata-se de possível ilegalidade – contratação de projeto de obra pública – sem licitação e justificativa. Nestes termos, solicito providências.”

________________________________

Eu já mandei. O meu protocolo é RD.01413.00277/2013



Categorias:Arquitetura | Urbanismo, Centro de Eventos do RS, Concursos Públicos para projetos arquitetônicos

Tags:, , ,

35 respostas

  1. Concordo plenamente com o concurso e se possível internacional, para que finalmente o RS ganhe alguma obra arquitetônica que preste e que esteja à sua altura.

    Curtir

  2. Se querem concurso pro Centro de Eventos também deveriam querer pro projeto da orla porque é a mesma situação: o tal de notório saber.

    Por que pra um sim e pro outro não?

    Curtir

    • Bianca, o Niemeyer morreu. O Lerner está vivo. Tu não percebeu a grande diferença ? Eu não tenho nada contra o notório saber. Está na lei, legal é.

      Le melhor este post: https://portoimagem.wordpress.com/2013/04/21/concurso-para-o-centro-de-eventos-e-moralmente-obrigatorio/

      Estamos enviando este texto ao Ministério Público do RS:

      “O governo do estado contratou o arquiteto Oscar Niemeyer para executar o projeto do centro de eventos do rs, alegando a figura do notório saber para dispensar licitação/ concurso público. Recentemente o arquiteto faleceu, mas o governo insiste em levar adiante a contratação falando, agora, que o projeto será feito pelo “escritório do arquiteto Oscar Niemeyer”. Ora, notório saber é pessoal e intransferível, e o bom senso indica que cessada a possibilidade do mesmo ser posto em prática, cessam todas e quaisquer tratativas anteriormente alicerçadas na justificativa. Como não há ainda um terreno escolhido para o empreendimento, e a mais básica premissa do projeto de arquitetura determina que só há uma concepção original quando associada a um lugar específico, eventuais alegações de que o arquiteto Oscar fez um “esboço” ou uma “idéia” para o dito centro devem ser, evidentemente, desconsideradas. Portanto, é dever do MP fazer cessar todo e qualquer relacionamento do governo do estado com o referido escritório, pois trata-se de possível ilegalidade – contratação de projeto de obra pública – sem licitação e justificativa. Nestes termos, solicito providências.”

      Curtir

  3. Bom, eu nunca gostei do ON, apenas tive respeito por ele.

    Espero que saia um concurso internacional mesmo, Porto Alegre precisa disso.
    Poderiam fazer proximo ao prédio da OSPA, com alguma forma de ligação com o guaiba.

    Curtir

  4. Não compareceram nem pro concurso da rodoviária… só imagino a cocolência de projetos que sairá.

    Curtir

    • Cara, temos excelentes arquitetos por aqui. As oportunidades é que são escassas, o grande mercado está orientado pelas incorporadoras que ditam os modelos. Se tivéssemos concursos frequentes, certamente teríamos projetos altamente qualificados.

      Quanto ao concurso da rodoviária, era carta marcada para grandes grupos, envolvendo não apenas um projeto, mas modelo de gestão.

      PS o que sabes das faculdades de arquitetura para afirmar o que afirmas?

      Curtir

      • Cursei um tempo e tenho amigos que fazem. O que vi foi “desenhe em 3d um berço de bebe”, “decoraçao interna”… As de construcao estao perdendo espaco para essas.

        Curtir

        • Jeclecler,
          Arquitetura de interiores seria o termo correto, ao invés de “decoração”, sendo este tema apenas um dos muitos estudados ao longo de cinco anos que é o tempo que leva para a formação de um arquiteto. Não vou citar aqui todos, pois seria muito extenso, mas posso te garantir que engloba desde cálculo estrutural, a projetos complexos tais como os de hospitais, hotéis, etc, passando por condicionamento ambiental, paisagismo, história da arquitetura, entre outros. Então pare de falar bobagens.

          Curtir

      • Tanto que mudei e me formei em civil.

        Curtir

        • olha eu faço arquitetura e até tive só uma cadeira se interiores, que nem é interiores, conforto térmico, emfim…se aprende muito mais sobre cálculos projeto, que interiores…alias interiores é cadeira complementar pra falar a verdade…

          Curtir

      • quem que cursou um tempo de arquitetura e fala “decoração” e não “arquitetura de interiores”? Todo arquiteto ficaria ofendido com “decoração”…

        Curtir

    • Cocolência é um termo bem apropriado.

      Curtir

  5. Concordo que seja o concurso Internacional desde que o estrangeiro seja um arquiteto brasileiro que vive no exterior!!! Por falar em arquitetos, já consultaram o novo Conselho de Arquitetura e Urbanismo – CAU – sobre o assunto? ;-P

    Curtir

    • Olha aí o corporativismo já agindo, atuando pela reserva de mercado. Vamos deixar a xenofobia de lado e que vença o melhor (caso haja concurso e este seja internacional), independente de nacionalidade.

      Curtir

    • E os arquitetos gaúchos tem know how para uma obra desse porte?
      Desculpa, mas acho que só os mais antigos. Porque hoje em dia, a faculdade de arquitetura no BR está mais voltara para “decoração”.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: