Aeroportos pelo Brasil derrapam na tradução e confundem turistas

Setor de embarque do Aeroporto Internacional de Brasília apresenta erro de inglês em placa  -  Vinicius Mesquita/UOL

Setor de embarque do Aeroporto Internacional de Brasília apresenta erro de inglês em placa – Vinicius Mesquita/UOL

A Copa das Confederações começou há mais de uma semana, mas aeroportos de algumas sedes da competição ainda patinam em estrutura e organização. No setor de embarque do Aeroporto Internacional de Brasília, cidade que recebeu a partida de abertura entre Brasil e Japão, as placas de sinalização confundem os estrangeiros com as traduções mal elaboradas.

O viajante que não entende um níquel da língua portuguesa e deseja procurar os portões B, C, D, E, F e G da ala de embarque doméstico pode ficar confuso. A sinalização indica em português os “portões de A a H”, mas apresenta em inglês a equivocada tradução para “portões A and H”, ou seja: “portões A e H”.

O Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, localizado na região metropolitana de Belo Horizonte, parecia abrigar um festival de mímicas no último sábado. Os torcedores japoneses, que desembarcaram para acompanhar a partida contra o México, sofreram para obter informações das empresas responsáveis pelos serviços de táxi.

Sorridentes, os japoneses mostravam mapas, entregavam folhetos ou apontavam para o horizonte na frustrada esperança de se fazerem entender Os funcionários respondiam em português, balançando as maquininhas de cartão de crédito:

“Você pode pagar com cartão, pode sim. Caso seja em dinheiro, pague para o motorista do táxi”.

Japoneses e atendentes entraram em “loop infinito” (aquela definição dada pelos estudiosos de tecnologia para determinar uma situação que se repete interminavelmente em um programa de computador). Nenhum funcionário das empresas credenciadas pelo aeroporto de Confins para oferecer táxis aos turistas sabia falar em inglês.

No Rio de Janeiro, as escadas rolantes do setor de embarque para voos domésticos do aeroporto Santos Dumont estavam desligadas no último sábado. Pequenos totens próximos às rolantes direcionavam as pessoas para os elevadores.

Vinicius Mesquita

Do UOL, em Brasília

Fifa ameaça cancelar a Copa das Confederações

Vinícius Segalla *

Do UOL, em Belo Horizonte  21/06/2013   06h00

A Fifa deu um ultimato ao governo brasileiro: ou as autoridades nacionais garantem a segurança da Copa das Confederações, dos jogadores, comitivas e membros da imprensa internacional que estão no Brasil, ou irá cancelar a realização do evento.

O UOL Esporte apurou que a cúpula da entidade que controla o futebol mundial levou à presidente Dilma Rousseff o seguinte recado: se mais algum membro da Fifa, das seleções que participam da Copa das Confederações ou da imprensa internacional sofrer algum tipo de violência advinda dos protestos que tomaram conta do país, a Copa das Confederações será cancelada.

Oficialmente, a entidade e o Comitê Organizador Local negam qualquer tipo de reclamação ao Governo Brasileiro ou a possibilidade de suspensão da Copa das Confederações. A área de comunicação ligada à Presidência afirma desconhecer o assunto.

Também em virtude desta situação, a presidente da República marcou uma reunião ministerial de emergência para a manhã desta sexta-feira. Um dos objetivos do encontro é encontrar subsídios para convencer a Fifa de que é possível realizar os torneios mundiais no país em segurança.

Delegações já pedem cancelamento

Um dos motivos para que Fifa e Governo comecem a discutir medidas drásticas em relação aos eventos esportivos é o clima de insegurança que passou, a partir desta quinta-feira, a atingir as delegações que estão participando da Copa das Confederações. Os problemas mais graves ocorreram em Salvador.

Nas manifestações realizadas na capital baiana, após confrontos com a polícia nos arredores da Fonte Nova, o protesto migrou para a região do hotel onde membros da Fifa estão hospedados. Alguns manifestantes jogaram pedras sobre dois ônibus oficiais da entidade. Houve também uma tentativa de invasão ao hotel, contida pelo Batalhão de Choque.

A violência já causou uma mudança oficial de comportamento na Fifa. Desde a última quinta-feira, todos os membros da entidade devem ir e voltar juntos ao estádio, sempre com escolta da polícia, independentemente do horário de trabalho dos profissionais.

Além disso, Juca Kfouri, blogueiro do UOL, informou que uma das seleções já teria manifestado a intenção de deixar o Brasil, em razão da insegurança. Segundo ele, “uma delegação, que a Fifa não quer mencionar, mas cujos jogadores trouxeram famílias, está pressionando seu comando para ir embora. Eles dizem que não querem jogar futebol em uma praça de guerra”. Essa seleção seria a Itália, ainda de acordo com Kfouri. Oficialmente, a delegação italiana nega a reclamação.

Órgãos de segurança já discutem como conter violência

Na última quinta-feira, a Abin (Agência Brasileira de Inteligência), o Exército Brasileiro e a Secretaria Extraordinária para Grandes Eventos (subordinada ao Ministério da Justiça) debateram o assunto em duas reuniões, em Brasília e Belo Horizonte.

Na capital mineira, a reunião aconteceu na Sala de Situação e Gerenciamento de Crises e Grandes Eventos, no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), que centraliza informações e operações de segurança durante a Copa das Confederações.

De acordo com o coronel Messeder, chefe de comunicação da 4ª Região do Exército Brasileiro, há 1.600 homens prontos para agir em Minas Gerais para garantir a segurança do Estado durante o evento. “Basta que o governador Antonio Anastasia solicite. Estamos prontos”, diz o capitão.

Lei da Copa prevê Fifa indenizada pelo governo

Caso a medida extrema seja adotada e a Fifa, realmente, cancele o evento, a Lei Geral da Copa prevê que o Governo Brasileiro pague eventuais prejuízos da entidade. O capítulo V da Lei, sancionada em 2012, fala sobre o assunto.

O artigo 22 diz que “A União responderá pelos danos que causar, por ação ou omissão, à FIFA, seus representantes legais, empregados ou consultores”. O artigo 23 fala que “A União assumirá os efeitos da responsabilidade civil perante a FIFA, seus representantes legais, empregados ou consultores por todo e qualquer dano resultante ou que tenha surgido em função de qualquer incidente ou acidente de segurança relacionado aos Eventos, exceto se e na medida em que a FIFA ou a vítima houver concorrido para a ocorrência do dano”.

Além da agressão aos ônibus da delegação de Salvador, a entidade internacional já está lidando, há alguns dias, direta ou indiretamente, com problemas graves decorridos dos protestos. No Rio de Janeiro, a Fifa blindou o centro de distribuição de ingressos. Placas da Copa das Confederações foram destruídas no centro da cidade e, durante um evento paralelo aos jogos, na Avenida Presidente Vargas, tendas foram depredadas.

Patrocinadores da Copa também viraram alvo dos manifestantes. Em São Paulo, um painel da Coca-Cola, que ficava na Avenida Paulista, foi queimado durante um dos protestos. No Rio, a loja da marca ao lado do Maracanã foi fechada, com medo de depredação.

* Com colaboração de Daniel Tozzi, Ricardo Perrone e Rodrigo Mattos.

UOL Esportes.

Fifa confirma as seis sedes da Copa das Confederações

Agência Estado

A Fifa confirmou oficialmente nesta quinta-feira (8) que a Copa das Confederações de 2013 será mesmo realizada em seis sedes. Havia risco de Recife ser excluído da competição, por causa do atraso nas obras do estádio, mas a entidade manteve a capital pernambucana entre as cidades brasileiras escolhidas para receber os jogos, ao lado de Rio, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza e Salvador.

Em evento realizado nesta quinta-feira no Museu do Futebol, em São Paulo, a Fifa e o Comitê Organizador Local (COL) acabaram que a indefinição que durava desde o final do ano passado sobre as sedes da Copa das Confederações. Assim, foi confirmado o calendário de jogos inicialmente elaborado para a competição, passando por seis cidades brasileiras entre os dias 15 e 30 de junho de 2013.

O evento desta quinta-feira contou com a presença do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, além de José Maria Marin, presidente do COL e da CBF, e do ex-atacante Ronaldo, que é membro do COL. Pelo lado da Fifa, o secretário-geral Jèrôme Valcke não veio ao Brasil dessa vez. Com isso, a entidade foi representada pelo diretor de marketing, Thierry Weil, e pelo diretor de comunicações, Walter De Gregorio.

“A decisão foi tomada com base em dois fatores: relatórios técnicos dos estádios e comprometimento político”, explicou Walter De Gregorio, ressaltando a importância do empenho governamental para cumprir os prazos – o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, chegou, inclusive, a marcar presença no evento desta quinta-feira em São Paulo. Mas o dirigente da Fifa também fez um alerta. “Agora é um ponto sem volta. Não há mais como mudar. É um grande desafio. E estamos confiantes.”

Quando elaborou o calendário da Copa das Confederações, no final do ano passado, a Fifa fez uma ressalva e admitiu que a competição poderia ter o número de sedes reduzido por causa dos atrasos nos estádios. Na época, as preocupações eram com Recife e Salvador. A definição, então, ficou para junho deste ano. Em maio, porém, a entidade resolveu dar mais prazo às cidades e adiou o anúncio para novembro.

Diante do avanço nas obras, Salvador deixou de ser uma preocupação para a Fifa ainda no primeiro semestre. Assim, a pendência ficou sendo Recife. Mas o governo pernambucano acelerou os trabalhos no estádio que terá capacidade para 46 mil pessoas. Agora, a arena já atingiu índice de conclusão de 70%, com prazo de entrega para março de 2013, o que fez com que fosse confirmada no torneio.

Passada a indefinição que durava quase um ano, a Arena Pernambuco receberá três jogos da Copa das Confederações, assim como Rio, Fortaleza, Belo Horizonte e Salvador – a exceção é Brasília, que terá apenas a abertura do torneio. Essas seis cidades também serão sedes do Mundial de 2014, que ainda contará com São Paulo, Cuiabá, Curitiba, Porto Alegre, Manaus e Natal como palco das partidas.

Encarada como um teste na preparação para a Copa do Mundo de 2014, a Copa das Confederações já tem sete dos oito participantes conhecidos: Brasil (país-sede), Espanha (campeã mundial), Itália (representante da Europa), Uruguai (América do Sul), México (Concacaf), Japão (Ásia) e Taiti (Oceania). A última vaga será de um país da África, a ser definida na Copa Africana de Nações em fevereiro.

Jornal do Comércio

4G no Brasil ficará restrito, no início, a apenas 50% da área de 6 capitais

JULIO WIZIACK

ENVIADO ESPECIAL AO RIO

Em junho de 2013, quando a seleção de futebol estrear na Copa das Confederações, o Brasil entrará na era da internet móvel 4G. As operadoras de telefonia têm até abril para começar a vender o serviço, que, no início, será para poucos –não pelo preço, mas pela cobertura.

Em sua estreia, o 4G estará disponível em, no máximo, 50% da área urbana das seis sedes do torneio (Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Salvador e Rio), totalizando cerca de 10 mil antenas.

Quem vinculou a implantação da rede 4G ao torneio de futebol foi o governo, dentro dos preparativos de infraestrutura para o Mundial de 2014. Por isso, São Paulo, que não sedia a Copa das Confederações, não é prioridade agora e pode demorar ainda mais para receber o 4G.

Para especialistas do setor ouvidos pela Folha, as 10 mil antenas não são o suficiente, pois, para cobrir a mesma área de uma antena 3G, é preciso três ou quatro antenas 4G –por isso a oferta do novo serviço será tão limitada.

Apesar da área restrita, a rede 4G nacional oferecerá os mesmos recursos das disponíveis no exterior: velocidade de transmissão de dados até 15 vezes superior à do 3G. O que significa, por exemplo, poder assistir a partidas de futebol ao vivo pelo celular sem as interrupções e os engasgos típicos do 3G brasileiro.

Na semana passada, durante a feira de telecomunicações Futurecom, no Rio, as teles anunciaram o início da construção das redes 4G que, nesta primeira etapa, aproveitarão a estrutura já existente –uma torre com equipamento 3G também terá o 4G.

A TIM é a única ainda em fase de negociação, mas anunciou que está prestes a fechar contratos.

A Claro e a Oi já fazem testes fechados do serviço, em redes experimentais em Campos do Jordão (SP), Paraty (RJ), Búzios (RJ) e Brasília, no caso da Claro, e no bairro do Leblon, no caso da Oi.

Somados, os investimentos das quatro operadoras devem chegar a R$ 4 bilhões nessa primeira fase de implantação do 4G, sem contar os R$ 2,9 bilhões já gastos com as licenças do serviço, leiloadas em junho passado.

QUANTO VAI CUSTAR?

As operadoras começam agora a fechar o modelo de negócio e desejam lançar os planos 4G no Carnaval. A Folha apurou que está em estudo a viabilidade de planos 4G pelo preço do 3G com quantidade de dados definida (em torno de 20 Mbytes).

O presidente da TIM Fiber, Rogerio Takayanagi, disse que o custo unitário da transmissão em 4G já é praticamente o mesmo do 3G. “Mas ainda estamos estudando os modelos”, disse. Na Europa, o 4G custa mais em planos com velocidades de 50 Mbps e 100 Mbps, mas, em muitos casos, há restrição de dados.

FOLHA DE SÃO PAULO / UOL

____________________

Leia mais sobre o 4G:

Rede 4G é veloz, mas qualidade tende a cair

Apenas 3 estádios ficarão prontos para a Copa das Confederações

Quem acompanha o andamento das obras dos estádios para a Copa do Mundo de 2014 garante que só três deles ficarão prontos a tempo para a Copa das Confederações, evento que acontece de 15 a 30 em junho de 2013.

A informação está na coluna de Mônica Bergamo, publicada na edição desta segunda-feira da Folha. A íntegra do texto está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha.

De acordo com a coluna, apenas as arenas de Fortaleza, Belo Horizonte e Brasília estarão prontas. O Maracanã, anunciado como palco da final do torneio, só deve ficar 100% finalizado no segundo semestre do ano que vem.

Segundo o site oficial da Fifa, “no dia 15 de junho de 2013, o Estádio Nacional de Brasília receberá a partida inaugural do “Festival de Campeões”. Os vencedores dos títulos continentais de cada uma das seis confederações, a atual campeã mundial, Espanha, e o Brasil, como país-sede, se enfrentarão até a grande decisão do dia 30 de junho, no Maracanã.”

“A competição ainda terá como sedes Belo Horizonte e Fortaleza. Recife e Salvador continuam sujeitas à aprovação final da FIFA e do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo da FIFA. O anúncio final da tabela de jogos do torneio e das sedes finais será em junho [de 2012]”, conclui a nota.

Ronaldo e Bebeto, ao lado do presidente do Tribunal Superior do Trabalho, João Oreste Dalazen, em visita às obras do Maracanã no início de março deste ano.

Mônica Bergamo – FOLHA.COM

Grêmio mantém esperança de receber Copa das Confederações na Arena

Ministro do Esporte Aldo Rebelo já havia descartado a possibilidade de utilizar estádio gremista

Em entrevista ao programa Polêmica, da Rádio Gaúcha, o presidente da Grêmio Empreendimentos, Eduardo Antonini, assinalou que ainda existe a possibilidade de Porto Alegre receber a Copa das Confederações …. (continua)

Clique aqui para ler a matéria na Zero Hora.

Antes de vistoria, Aldo Rebelo afirma que Beira-Rio está no prazo

Ministro do Esporte visitará estádio do Inter e Arena do Grêmio nesta terça

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, desembarcou em Porto Alegre por volta das 19h desta segunda-feira. Nesta terça-feira, ele visitará o estádio Beira-Rio e concederá uma entrevista coletiva às 11h para tratar das obras para a Copa do Mundo. Ainda no aeroporto, ele descartou a Copa das Confederações na Arena e afirmou que há tempo para a conclusão da reforma no estádio colorado: “O prazo é o que dê condições de terminar o estádio a tempo. E nós estamos dentro dele”.

Ainda que as máquinas no Beira-Rio estejam paradas há quase um ano, Rebelo mostrou-se tranquilo para a retomada: “Há um detalhe a ser definido entre o consórcio que constrói o estádio e o banco que financia, mas é uma questão de pouco tempo para resolver”, projetou Rebelo. “Nós estamos confiantes na assinatura do contrato, no reinício das obras e na conclusão dentro do prazo. Ou seja, teremos a Copa do Mundo em Porto Alegre, no estádio do Inter. E o estádio dentro do tempo.”

Cinco meses atrás, seu antecessor na pasta dos Esporte, Orlando Silva, havia pedido – em tom de alerta – a assinatura imediata do contrato entre Inter e Andrade Gutierrez “para que a Fifa aumente a confiança e a segurança na participação de Porto Alegre”.

Ministro elogia a Arena, mas veta apoio à Copa das Confederações

Aldo Rebelo, que visitará as obras da Arena na tarde desta terça, considerou inviável que o futuro estádio do Grêmio receba a Copa das Confederações – opção sugerida pelo presidente gremista Paulo Odone semana passada. “Acho difícil que essa seja a solução a ser adotada por conta da Fifa”, considerou ele, que complementou: “A opção dos organizadores do Mundial é fazer a Copa das Confederações no mesmo estádio da Copa do Mundo.”

Apesar da falta de apoio à causa levantada por Odone, o ministro elogiou a Arena: “É um belo estádio e tem todas as condições de realizar a Copa das Confederações e a Copa do Mundo”, destacou.

Correio do Povo

________________________________

E blá, blá, blá …..

Temos direito a explicações!

Ex-diretor do Internacional cobra construtora por assinatura do contrato do Beira-Rio

Imbróglio com empresa deixou obras do Beira-Rio abandonadas (crédito: Arquivo)

A população gaúcha e a torcida do Internacional, em particular, acompanham, incrédulas, o interminável imbróglio em que se transformou a formalização da parceria entre o clube e a construtora Andrade Gutierrez. Já não são mais aceitáveis as justificativas e as explicações – ou, mais precisamente, a falta delas – para as sucessivas postergações na assinatura do famoso contrato e a retomada das obras.

A posição da AG, negando-se em oferecer informações sobre o tema, é desrespeitosa, beirando a arrogância, não só para com o Internacional e seus torcedores, mas, também, para com os gaúchos, em geral. Vale lembrar que a Copa do Mundo 2014 é uma ação oficial de governo, beneficiada com investimentos públicos e isenção de impostos. A construtora deve, sim, explicações e prestação de contas de suas intenções, iniciativas e cronogramas ao Internacional, ao governo e ao público. A postura da empresa dá abrigo ao conjunto de dúvidas e boatos que proliferam na população. Já não se tem certeza sobre as suas reais intenções e a seriedade na condução do negócio. A omissão de seu representante em Porto Alegre – alegadamente por não estar autorizado a manifestar-se – deveria ser contraposta com a exigência, pelo Internacional/governo, da presença de um interlocutor habilitado, então, a falar claramente em nome da AG.

O Rio Grande do Sul e o Internacional já foram severamente prejudicados pela forma com que a modernização do Beira-Rio vem sendo conduzida. A exclusão de Porto Alegre como sede da Copa das Confederações; o limitado número de jogos na Copa 2014, alienada como sede das partidas nas fases finais; as perdas do marketing do clube pela indefinição das obras no estádio – você compraria, hoje, a camiseta “Beira-Rio, a Copa é aqui!” ? – são alguns exemplos disto. Sem considerar o claro dano que a imagem do Internacional vem sofrendo com a longa paralisação das obras e a indefinição da situação. Estado e Internacional tornaram-se reféns da construtora.

“Vale lembrar que a Copa do Mundo 2014 é uma ação
oficial de governo, beneficiada com investimentos
públicos e isenção de impostos.
A construtora deve, sim, explicações e prestação de contas
de suas intenções, iniciativas e cronogramas
ao Internacional, ao governo e ao público”

Não tenho dúvidas de que, tecnicamente, a viabilidade das obras no, agora, exíguo prazo disponível está garantida. O uso das soluções industrializadas com concreto pré-fabricado nas arquibancadas e estrutura metálica na cobertura permitem que – com adequado aporte de recursos – se cumpram os prazos. O ponto crítico poderá ser o fornecimento e a montagem do revestimento sintético, sequer contratado com fornecedores internacionais, que detêm patente desta tecnologia.

Entretanto, um aspecto merece atenção e o nosso alerta. Empreiteiras são especialistas em apertar cronogramas gerando dificuldades e alegados “imprevistos” para pressionarem governos e contratantes na obtenção de aditivos; liberação de verbas ou financiamentos com vantagens. Orçamentos crescem muito em nome de alegados fatos novos na obra. A intervenção em uma obra existente como o Beira-Rio é um prato cheio para que a história se repita, sobretudo quando se tem urgência em concluir a obra. Criam-se dificuldades para colher facilidades! A reforma do Maracanã, também com a participação da AG, é um testemunho disso. O Inter e o RS precisam estar atentos.

Parece fundamental que a torcida colorada, suas várias correntes políticas, nossos governantes e os diferentes segmentos da sociedade – todos atingidos por uma eventual exclusão do RS como sede da Copa 2014 – precisam se unir apoiando a direção do Internacional e cobrando uma posição pública da construtora Andrade Gutierrez. A empresa não pode tratar a população gaúcha como fantoches, tem compromissos públicos assumidos com o empreendimento desde que apresentou proposta para a realização das obras. Sua posição omissa e titubeante vem causando vários prejuízos à comunidade rio-grandense e precisa ser responsabilizada por isso. Nós merecemos explicações claras!

Portal 2014 – *Felipe Brasil Viegas

*Felipe Brasil Viegas é engenheiro civil, ex-diretor e ex-conselheiro do Internacional. O artigo foi originalmente publicado no jornal “Zero Hora”.

“PARA CRESCER, O RIO GRANDE PRECISA DEIXAR DE SER CARANGUEJO!”, por Paulo Odone

DISCURSO INTEGRAL DO DEPUTADO PAULO ODONE, ONTEM, 07/FEVEREIRO, NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO RS

“PARA CRESCER, O RIO GRANDE PRECISA DEIXAR DE SER CARANGUEJO!

Para falar aqui, hoje, dispo-me da condição de representar uma facção do esporte gaúcho. Falo como dirigente esportista e como Deputado, interessado e responsável pela defesa de questões que importam a todo o Rio Grande.

Assim, posso afirmar que, muito mais do que uma iniciativa ligada a um clube, o conjunto da ARENA do Grêmio significa o maior empreendimento dos últimos anos no Estado, depois dos investimentos que estão sendo feitos no Porto de Rio Grande.

É uma das peças fundamentais, entre outras, na lutaque nós, os gaúchos, estamos travando, nesse momento, para que uma realidade positiva, uma boa energia, se instale na Capital e no Estado, a fim de que o Rio Grande possa reerguer definitivamente as bandeiras da competência e do protagonismo que no passado identificaram o povo gaúcho de forma precursora.

Nunca é demais lembrar a repercussão social e econômica que esse tipo de empreendimento estabele na história das cidades. Várias cidades no mundo – Barcelona e Lisboa são exemplos – foram revitalizadas ao investir em projetos semelhantes ao da ARENA.

Às vezes parece que isso é desprezado ou propositalmente esquecido e o que vem à tona quando os princípios essenciais se perdem são picuinhas pontuais que nada contribuem para que as coisas avancem.

Com a ARENA do Grêmio, o Bairro Humaitá, historicamente esquecido e hoje, completamente degradado, será revitalizado. Haverá geração de empregos e renda, pois a ARENA contará com shopping, restaurantes, bares, centro de convenções e serviços de hotelaria que funcionarão todos os dias da semana, atraindo pessoas e movimentando a vida econômica e cultural da cidade. Grandes espetáculos poderão vir ao Estado, pois hoje carecemos de infra-estrutura para tais eventos. A cidade contará com um complexo esportivo de padrão mundial, o que por si só será, também, um atrativo para o turismo. Enfim, a ARENA será um grande estimulador da vida em todas as suas instâncias.

Quem pode ser contra isso?

A ARENA não é um projeto apenas futebolístico. É um projeto de alta amplitude social e emancipatória. A ARENA vai mudar a cara de Porto Alegre mais do que mudaram a cara da nossa cidade empreendimentos como o Shopping Iguatemi, o Museu Iberê Camargo, o Barra Shopping e tantos outros que a partir de seu funcionamento, trouxeram melhores oportunidades de vida para as pessoas estabelecendo, no seu entorno, novos conceitos de vida urbana. Não se pode ser contra isso, senhoras e senhores, não se pode ser contra o avanço social. Nós, políticos, homens públicos, a despeito de nossas convicções, precisamos saber onde estão as oportunidades de melhoras coletivas, estejam elas nos movimentos comunitários, estejam nos grandes empreendimentos.

Construir esse sonho exigiu dos envolvidos esforço descomunal. Um por um dos obstáculos foram sendo vencidos e isso só foi possível com a formação de uma grande rede de parcerias institucionais que incluiu essa Casa, nossa bancada federal, os Governos Estadual e Federal e, sobretudo, a comunidade.

Hoje, estamos num momento crítico e em função disso, vim a campo, para esclarecer as coisas e para dizer que, sejam quais forem as motivações para ser contrário a esse projeto, nunca podemos perder de vista a importância dele para a cidade e para o Estado.

Em relação à ARENA, é preciso que se esclareça que o investimento é um investimento privado, à dessemelhança de outros Estados onde são gastos milhões em estádios públicos. Também é preciso que se diga que Grêmio e o Internacional receberam o tratamento adequado em relação ao ICMS, que foi igual para os dois. Já o Grêmio teve vetada a isenção do IPI, mas manteve o empreendimento.

Politicamente, os preparativos para receber a Copa do Mundo em nosso Estado têm servido para a realização de um desejo da população. Esse desejo, expresso nas urnas, inclusive, é o de uma trégua na briga política, já quase folclórica, eu diria, é o de uma pausa nos eternos antagonismos, em favor da concentração das energias no estabelecimento de conquistas econômicas e sociais para o Rio Grande.

Como Secretário Estadual da Copa, coube-me uma tarefa importante nessa questão. Certo de que as melhorias para receber o Mundial poderiam se tornar um legado permanente para os gaúchos, percorri o Estado no esforço para que todos, sem distinção, pudessem entender e capitalizar a oportunidade do momento e exigir comprometimento das lideranças políticas.

Nesse sentido, vivemos um bom momento, com relativa paz política, cooperação e concentração de todos nas nossas antigas demandas como o Cais do Porto, a Travessia do Guaíba, a ampliação da disponibilidade de energia elétrica, questões que se movimentaram favoravelmente.

Hoje precisamos realinhar nossas forças e para isso, esse Grande Expediente. Estamos a perigo. Há riscos concretos à vista, mas o maior deles, talvez, é o de que novamente nos deixemos tomar pelos antagonismos, pela fúria das paixões e, por meio desta péssima conselheira, troquemos nosso dever cívico de lutarmos pelas coisas de nossa terra pelos prazeres momentâneos ditados por mágoas ou ressentimento antigos que já deveriam estar desativados para o bem de todos. Não vamos deixar que a história do caranquejo, que puxa para baixo, de novo nos identifique. Não podemos ser caranquejos e essa narrativa não pode se tornar a narrativa símbolo de nosso Estado. Caranquejos, não!

O Rio Grande não pode se encolher nessa hora. Está faltando mobilização política no que realmente interessa. Os investimentos do Poder Público em relação à Copa do Mundo estão atrasados. Temos problemas. Em relação à ARENA, se as verbas necessárias para as obras viárias no seu entorno não chegarem até março, elas não ficarão prontas no momento da inauguração do estádio.

O problema da mobilidade urbana no Humaitá precisa ser resolvido. A Arena foi planejada no Humaitá, entrada da cidade, pois lá, segundo o Plano Diretor de POA, está o corredor de desenvolvimento da cidade. A Arena é um dos vários empreendimentos previstos para esse Bairro, além da chegada da BR 448 (Rodovia do Parque) e da segunda Ponte do Guaíba, além do trânsito proveniente da BR 116.

Não se pode colocar sob responsabilidade do Projeto Arena a falta de investimentos no Humaitá nos últimos 40 anos, muito menos ignorar o impacto no trânsito que as BRs 448 e 116 e a segunda ponte do Guaíba trarão para aquela região.

Além disso corremos o maior dos riscos, o risco de não recebermos a Copa. Por quê? Por que nos falta Mobilização Política. E o que é pior, nos sobra má vontade e oposição inconseqüente. Na Bahia, o Governador Jaques Wagner arregimentou o esforço político e popular e foram à luta, pressionando, exigindo. E levaram. Os recursos foram aumentados e isso incluiu a Bahia na Taça das Confederações.

E nós, Deputados gaúchos? E nós? O que estamos fazendo?

A perda da Copa das Confederações, em 2013, trará prejuízo para TODO o Estado, pois muitas cidades receberiam seleções e turistas, em especial do Uruguai, atual campeão da América e nosso vizinho, que certamente ficaria aqui no Estado. E se o Inter não conseguir resolver sua questão em relação ao estádio, temos plano B ou atiramos a toalha? Quem paga depois o preço dessa omissão? O que queremos para nosso Estado? Protagonismo ou atraso? Por que não nos mobilizamos nesse momento e fazemos a diferença?

Precisamos compreender algo: relações políticas amadurecidas produzem resultados positivos em todos os sentidos.

O Rio Grande merece uma atitude madura e consequente de sua classe política e o momento é esse. Momento de aproveitarmos a onda e jogarmos tudo na retomada de nosso lugar como referência política, cultural e econômica. Porto Alegre pode ser melhor ainda, mais moderna, mais segura, independentemente do partido que assumir a prefeitura.

Façamos nossa parte, senhores Deputados, nesse momento, e quem sabe, depois, poderemos retomar, em outro patamar, os debates e as discussões, que tanto nos arrebatam. Mas façamos a nossa parte! Agora! Depois será tarde demais.

Muito Obrigado”

DEP. PAULO ODONE

Governo encaminhará proposta de inclusão da Arena na Copa das Confederações

Confirmada como Campo Oficial de Treinamento (COT) da Copa do Mundo de 2014, a Arena do Grêmio poderá concorrer à sede da Copa das Confederações, realizada em 2013. A proposta foi lançada pelo deputado estadual e presidente do Grêmio Football Porto-Alegrense, Paulo Odone, nesta terça-feira (07), durante Grande Expediente da Assembleia Legislativa.

“Como Governo não entramos na discussão Gre-Nal, pois o mais importante é a realização de um megaevento como este em nosso Estado. Assim, vamos acolher a demanda e encaminhá-la ao Comitê Organizador Local (COL). Se houver esta possibilidade, vamos tentar”, afirmou o secretário estadual do Esporte e do Lazer e coordenador do Comitê Gestor da Copa 2014 RS (CGCopa), Kalil Sehbe, sobre a iniciativa.

De acordo com o autor da proposta, o novo estádio do Grêmio ficará pronto no final de 2012 e estará adequado aos padrões exigidos pela FIFA, estando apto a sediar os jogos da Copa das Confederações, que ocorrerão entre 15 e 30 de junho de 2013. Porto Alegre é uma das sedes da próxima Copa do Mundo, que não será sede da Copa das Confederações, conforme anúncio divulgado pelo COL em outubro do ano passado.

Texto: Nathália Ely

Edição: Redação Secom (51) 3210-4305

Governo do Estado

_____________________________________

Acho quer agora as coisas estão andando conforme o esperado pela população deste estado. Aguardemos mais informações.

 

______________________________________

______________________________________

______________________________________

 

NOTÍCIA DO CORREIO DO POVO

Piratini pedirá inclusão da Arena na Copa das Confederações

Proposta será encaminhada ao Comitê Organizador Local

Proposta será encaminhada ao Comitê Organizador Local Crédito: Juliano Kracker

O governo estadual não desistiu de tentar trazer a Copa das Confederações para Porto Alegre. Em nota publicada nesta terça-feira, a Secretaria Estadual de Esportes revelou que irá pedir a inclusão da Arena do Grêmio como sede do evento, programado para 2013 e considerado preparatório para a Copa do Mundo. A proposta foi lançada à tarde pelo presidente do Grêmio e deputado estadual, Paulo Odonde (PPS).

“Como Governo não entramos na discussão Gre-Nal, pois o mais importante é a realização de um megaevento como este em nosso Estado. Assim, vamos acolher a demanda e encaminhá-la ao Comitê Organizador Local (COL). Se houver esta possibilidade, vamos tentar”, afirmou o secretário estadual do Esporte e do Lazer e coordenador do Comitê Gestor da Copa 2014 RS (CGCopa), Kalil Sehbe, sobre a iniciativa, em nota publicada no site da secretaria.

Em outubro do ano passado, a Fifa anunciou as sedes da Copa das Confederações e Porto Alegre ficou de fora. Fortaleza, Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte estão confirmadas para a competição, enquanto Recife e Salvador também podem integrar a lista se respeitarem o cronograma de obras.

Inclusão não interfere no Mundial, afirma Odone

Em entrevista à Rádio Guaíba na noite desta terça-feira, Paulo Odone afirmou que o pedido de inclusão da Arena na Copa das Confederações não interfere na opção pelo Beira-Rio para o Mundial de 2014. “Isso não interfere na Copa do Mundo que será soberanamente decidida pelo Inter, que vai decidir se vai conseguir apresentar a reforma do Beira-Rio no prazo”, disse.

O dirigente gremista e deputado, porém, colocou a Arena à disposição para o caso de a reforma do estádio Beira-Rio – sede de Porto Alegre para a Copa – não for concluída dentro do prazo estipulado, que é dezembro de 2013. “Precisamos cuidar de que, se não sair a Copa no Beira-Rio, me escalo para falar: tem a Arena e pode sediar estes jogos aqui. Precisa pensar no Rio Grande do Sul”, pregou.

“Não podemos perder a Copa, caso o Inter decida que não quer ficar com esse compromisso no colo. Se o Inter conseguir ratificar, vamos dar toda a força para o evento lá”, acrescentou Odone.

Correio do Povo

Paulo Odone se mobiliza para levar Copa das Confederações para a Arena

Deputado e presidente do Grêmio ocupará a tribuna da Assembleia Legislativa nesta terça

Leia a matéria completa na Zero Hora de hoje.

Novo estádio do Grêmio será concluído no fim de 2012 Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

COPA AMEAÇADA: Secretário já admite a Arena como opção

O secretário Bosco Vaz se contradisse em entrevista e ADMITIU QUE DISSE UMA INVERDADE, e que POR CAUSA DELE, Porto Alegre perdeu a Copa das Confederações e milhões de reais!

” Se sentirmos em março que não reiniciam as obras, vamos tomar uma posição. Se tivermos que ir à Fifa pedir para tirar o Beira-Rio e botar a Arena vamos fazer isso, porque o evento é muito maior “– diz o secretário.

Indicado pelo prefeito José Fortunati para falar sobre o imbróglio Beira-Rio, o secretário da Copa de 2014, João Bosco Vaz, diz confiar na palavra do diretor da Andrade Gutierrez Leonardo Salvaterra, de que o estádio estará pronto em dezembro de 2013.

Porém, o voto de confiança não é total: se o impasse no Beira-Rio continuar até março, Bosco afirma não ter problemas em pedir à Fifa e ao COL que os cinco jogos previstos para Porto Alegre se realizem na Arena do Grêmio.

– Se sentirmos em março que não reiniciam as obras, vamos tomar uma posição. Se tivermos que ir à Fifa pedir para tirar o Beira-Rio e botar a Arena vamos fazer isso, porque o evento é muito maior – diz o secretário.

Presente na última reunião com o Comitê Organizador Local (COL), o secretário afasta o risco de que a Capital perca a Copa de 2014 por conta do atraso. Confira os principais trechos da entrevista, na sexta-feira.

ZH – A prefeitura foi informada de uma previsão para assinar o contrato?

João Bosco Vaz – No dia 23 de janeiro, tivemos uma reunião no Rio com o Comitê Organizador Local (COL). O Leonardo Salvaterra, que é diretor da Andrade Gutierrez, afirmou que tem dinheiro em caixa para manter a obra por ao menos quatro meses. Também assegurou ter pedido financiamento ao BNDES e que só faltava a assinatura de uma das empresas investidoras para criar a Sociedade de Propósito Específico (empresa que a construtora cria para reunir os investidores). Perguntei quando a obra iniciaria e ele disse que estava enviando máquinas para Porto Alegre. Quem diz tudo isso é porque vai fazer a obra.

ZH – Houve alguma novidade depois do dia 23 de janeiro?

Bosco Vaz – Tentei falar com ele (Salvaterra) e não consegui. Mas se ele é diretor comercial da empresa e diz tudo isso… Perguntei quando iria recomeçar a obra e ele respondeu: “Secretário, o que importa é quando vai terminar a obra, em dezembro de 2013. Garanto que o estádio vai estar pronto”. Falei que estamos pressionados.

ZH – Desde o ano passado está sendo dito que a retomada está próxima. Qual é a diferença agora?

Bosco Vaz – Aquela previsão de que haveria obra antes do início da Libertadores aconteceu lá atrás, quando precisava ter um prazo entre eles.

ZH – Como assim? Agora não precisa mais haver um prazo?

Bosco Vaz – O prazo estabelecido pela Fifa é dezembro de 2013.

ZH – Mas antes não precisava ter um prazo para o início?

Bosco Vaz – Não era pela Fifa que fizeram essa estimativa. Era uma definição entre eles, para agilizar. Por isso o Giovanni (Luigi) deu aquela declaração. Obviamente estamos monitorando isso, mas é aquela história: é uma obra privada.

ZH – Por ser privado, esse impasse deixa a prefeitura de mãos atadas?

Bosco Vaz – De mãos atadas, não, mas a Fifa diz sempre que não existe plano B. Se a Fifa dissesse para nós: “Olha aqui, anote o plano B”, já tínhamos escolhido a Arena para a Copa das Confederações. Não teríamos perdido a Copa das Confederações.

ZH – O COL informou que é a cidade-sede que tem a atribuição de decidir, se necessário, trocar de estádio. Em um eventual problema com o acordo entre Inter e Andrade Gutierrez…

Bosco Vaz – (intervindo) Se esse imbróglio continuar e a gente vir que corre riscos mesmo, não teremos nenhuma situação em indicar a Arena.

ZH – Não existe o temor de um desgaste político em relação a essa troca?

Bosco Vaz – Negativo. O evento Copa do Mundo para a cidade é muito maior do que esse desencontro do Inter e da Andrade. Se sentirmos, na frente, que não assinaram, não resta dúvida que eu vou ao Rio para vermos isso.

ZH – A presidente Dilma também está preocupada com a demora. Houve algum pedido de providências?

Bosco Vaz – É uma obra privada, o máximo que podemos pedir são informações. Se estamos em uma reunião da Fifa, que é a entidade organizadora da Copa do Mundo, e a Andrade Gutierrez diz tudo o que disse, tu tens de acreditar, né? Mas isso tem um prazo.

ZH – Com qual prazo vocês trabalham no momento?

Bosco Vaz – Bom, se vira março e não iniciam as obras, alguma decisão teremos de tomar. O presidente Giovanni Luigi fez tudo certo e tem se comportado como um gentleman nessas reuniões todas. Te repito, o diretor da empresa deu todas essas informações para a Fifa. Agora, não temos nenhum problema político. Se sentirmos em março que não reiniciam as obras, vamos tomar uma posição. Se tivermos que ir à Fifa pedir para tirar o Beira-Rio e botar a Arena vamos fazer isso, porque o evento é muito maior do que isso. Não podemos correr riscos.

Fortunati evita comentar

Na última quarta-feira, antes de iniciar viagem ao Oriente Médio, o prefeito José Fortunati disse, em entrevista ao Gaúcha Atualidade, que estava preocupado com a demora na retomada das obras do Beira-Rio – mesmo tendo se reunido, na semana anterior, com representantes da Andrade Gutierrez.

À frente da organização da Copa na Capital desde a candidatura da cidade, Fortunati chegou a dizer que “daqui a pouco não adianta mais assinar porque não dará mais tempo”. No mesmo dia, Zero Hora procurou o prefeito, pelo celular e via assessoria, mas não teve retorno com a justificativa de que sua agenda estava repleta.

Na manhã de quinta-feira, antes do início da procissão de Nossa Senhora dos Navegantes, Fortunati respondeu ao pedido dizendo que não falaria mais sobre Copa do Mundo ou sobre o Beira-Rio.

– O que eu disse ontem está dito, não vou falar nada além disso – afirmou.

Fonte das informações: ZH (com intervenções do Blog)

Arena foi cotada para a Copa das Confederações

Secretário extraordinário do Mundial em Porto Alegre revela que pensou em plano B

Novo estádio deve ser inaugurado no final de 2012 Crédito: Bruno Alencastro

A preparação da Capital para a Copa do Mundo de 2014 começa a acelerar após a aprovação da parceria entre Inter e a construtora Andrade Gutierrez.

Em entrevista ao CP, o secretário extraordinário da Copa na Capital, João Bosco Vaz, fala de pontos importantes e revela que pensou em um plano B.

Correio do Povo – Há um sentimento de alívio por parte dos gestores da Copa com a aprovação da parceria entre Inter e a construtora?

João Bosco Vaz – Claro. Já havíamos perdido a Copa das Confederações em função da falta do contrato, agora esperamos com ansiedade o início da obra. Tranquilidade para todos.

CP – Em algum momento houve algum plano B ou não passou de especulação? Se houve, vocês continuam trabalhando com essa hipótese, já que a Andrade Gutierrez ainda pode desistir da parceria com o Inter?

JB – A Fifa repete sempre que não tem plano B, que o Beira-Rio é o estádio. Se a Fifa permitisse teríamos tirado o Beira-Rio, colocado a Arena e teríamos a Copa das Confederações aqui. A não ser que o Inter desista de sediar a Copa, aí a Fifa terá um plano B.

CP – Você acredita que a Fifa vai disponibilizar ingressos a preços populares?

JB – Há muito venho dizendo isso. Há seis tipos de ingressos. Os 300 mil ingressos populares ao preço de 30 dólares cada serão mais baratos do que a meia entrada sobre outros ingressos que são mais caros. E estes ingressos populares só serão vendidos no Brasil para atender estudantes, idosos, índios, etc.

CP – Qual a sua opinião em relação aos pontos de maior discussão na Lei Geral da Copa: a meia-entrada e a venda de bebidas alcoólicas?

JB – Quando o Brasil foi atrás para sediar a Copa já sabia que a Fifa queria vender cerveja nos estádios e aceitou isso. Em todos os países onde têm Copa, têm bebidas alcoólicas nos estádios e aqui não será diferente. Sobre a meia-entrada, já falei antes, os ingressos populares serão mais baratos.

CP – Qual a sua resposta para aqueles que se mostram descrentes com a Copa na Capital, principalmente por não estarem vendo as grandes obras saírem do papel?

JB – É engraçado, tem muita gente contra a Copa. Mas quando perdemos a Copa das Confederações deu uma comoção na cidade. Agora, quando as obras começarem vão reclamar que tem muitas obras na cidade. Vai entender! A Copa não resolve os problemas de um país, mas acelera etapas para o desenvolvimento.

CP – De que forma a Capital está se preparando em relação às telecomunicações? Porto Alegre e o Beira-Rio estarão prontos para receber um número tão grande de profissionais que vão cobrir o evento? Que estrutura teremos?

JB – Precisamos urgentemente investimentos em telecomunicações, principalmente melhorar o sinal dos celulares, que não funcionam em muitos lugares, como no Beira-Rio. Tem que instalar o 4G e, para isso, a presidente Dilma já liberou R$ 200 milhões para as 12 cidades-sede. Hoje, em termos de telecomunicações, estamos ruins. É um investimento privado, as operadoras querem investir e isso tem que acontecer. A Copa vai ser um fiasco se não melhorarmos as telecomunicações.

CP – A Fifa sempre se mostrou preocupada com os aeroportos brasileiros. O Salgado Filho também enfrenta problemas?

JB – Muitos, principalmente porque a demanda de passageiros aumenta 20% ao ano no Brasil. Estamos estrangulados e é provável que depois da Copa, se este crescimento continuar assim, que mesmo reformado o nosso aeroporto fique ultrapassado. Vamos ter um novo terminal de passageiros, novo edifício-garagem e um aumento na pista de 920 metros. Este é um legado que a Copa vai deixar.

CP – Como vai funcionar a chamada “zona de exclusão” que a Fifa pretende implantar no entorno do Beira-Rio? Como ficam os comerciantes do local? Eles terão que fechar seus comércios?

JB – Ninguém vai fechar nada. Tem muita gente falando bobagens sem saber nada. Você acha que a prefeitura aceitaria fechar os dois grandes shoppings que estão em um raio de 2 quilômetros do Beira-Rio? Os bares vão poder vender suas bebidas, as revendas de carros na frente do Beira-Rio funcionarão normalmente, só não podem é fazer promoções usando a marca Copa, pois eles não têm os direitos que a Fifa vendeu para outros.

CP –Tem se falado que Porto Alegre receberá, no máximo, uma seleção mediana na Copa. Existe um movimento para trazer uma grande seleção ou isso foge do controle dos gestores?

JB – Vamos depender do sorteio, mas teremos aqui, pelos estudos que fizemos, e os prováveis cruzamentos que já podem ser feitos em cima da tabela das eliminatórias, dez seleções diferentes, pois como são 12 cidades os jogos serão zoneados. E aí pode jogar aqui a Itália, a Argentina, a Inglaterra ou a Alemanha.

Rebelo animado com obras do Beira-Rio

A aprovação da minuta do contrato para as reformas do Beira-Rio deu uma injeção de ânimo no ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Se no fim do mês passado ele declarava que o estádio do Inter era o mais atrasado para a Copa do Mundo, agora ele esbanja confiança: “Estou certo de que o Beira-Rio terá enorme sucesso como sede da Copa”, projeta ele, em entrevista ao CP.

Rebelo sequer cogitou a possibilidade da Arena entrar como plano B para o Mundial de 2014. “O governo federal trabalha com a realização dos jogos da Copa em Porto Alegre, no estádio Beira-Rio”, enfatiza o ministro, que mesmo tendo taxado a Capital de cidade mais defasada nos preparativos, garantiu que nunca teve dúvidas do desfecho positivo entre clube e a construtora Andrade Gutierrez. “Com a assinatura do contrato e a retomada das obras estou convencido de que o calendário previsto será cumprido.”

A parceria com a AG foi aprovada pelo Conselho Deliberativo após quase nove meses de idas e vindas da minuta. O contrato, porém, ainda não foi celebrado. O Inter planeja transformar essa ocasião em um grande evento, com a presença da presidente Dilma Rousseff e do governador Tarso Genro. A partir do momento que for assinado, a construtora terá 30 dias para retomar as obras, que estão paradas desde o primeiro semestre.

A aprovação da minuta do contrato para as reformas do Beira-Rio deu uma injeção de ânimo no ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Se no fim do mês passado ele declarava que o estádio do Inter era o mais atrasado para a Copa do Mundo, agora ele esbanja confiança: “Estou certo de que o Beira-Rio terá enorme sucesso como sede da Copa”, projeta ele, em entrevista ao CP.

Rebelo sequer cogitou a possibilidade da Arena entrar como plano B para o Mundial de 2014. “O governo federal trabalha com a realização dos jogos da Copa em Porto Alegre, no estádio Beira-Rio”, enfatiza o ministro, que mesmo tendo taxado a Capital de cidade mais defasada nos preparativos, garantiu que nunca teve dúvidas do desfecho positivo entre clube e a construtora Andrade Gutierrez. “Com a assinatura do contrato e a retomada das obras estou convencido de que o calendário previsto será cumprido.”

A parceria com a AG foi aprovada pelo Conselho Deliberativo após quase nove meses de idas e vindas da minuta. O contrato, porém, ainda não foi celebrado. O Inter planeja transformar essa ocasião em um grande evento, com a presença da presidente Dilma Rousseff e do governador Tarso Genro. A partir do momento que for assinado, a construtora terá 30 dias para retomar as obras, que estão paradas desde o primeiro semestre.

Correio do Povo

A perda da Copa das Confederações é lição

Porto Alegre vai ser uma das sedes mais bem organizadas para a Copa do Mundo, declarou nesta segunda-feira (07) na tribuna popular da Câmara Municipal de Porto Alegre o presidente do Sindpoa, José de Jesus Santos. Segundo ele, a recente perda da Copa das Confederações deve servir apenas de lição, mas não de castigo e que todos os setores envolvidos devem se manter unidos para que não se percam mais prazos.

Lembrou que Porto Alegre é a 10ª cidade mais visitada por estrangeiros do Brasil e o Estado, na 6ª colocação, é o segundo que mais recebe turistas via terrestre.

Para o empresário, a permanência de mais tempo destes visitantes na cidade, que chega a mais de um milhão apenas de argentinos por ano é vital para o desenvolvimento.

www.affonsoritter.com.br

Inter diz que exclusão da Copa das Confederações foi “política”

Clube gaúcho sustenta que Porto Alegre é a “sede mais avançada” e Beira-Rio poderia receber jogos

Da redação – São Paulo

Inter atribui escolha da Fifa a motivos políticos (crédito: Divulgação)

Fora da Copa das Confederações por conta de uma paralisação nas obras do Beira-Rio que já dura quatro meses, o Internacional de Porto Alegre publicou nota oficial, ontem (20), para explicar os entraves na reforma do estádio.

Segundo o clube, o contrato começou a ser negociado em maio e está em fase final de ajustes com a construtora Andrade Gutierrez. A empresa bancará todos os custos em troca da exploração comercial do estádio por 20 anos (garagem, camarotes e áreas vip).

A direção do Internacional lamentou a exclusão da cidade no evento-teste para a Copa, dizendo que a escolha do Comitê Organizador Local (COL) e da Fifa foi “política”.

De acordo com a nota, o Beira-Rio é um dos estádios em fase mais avançada para a competição e, mesmo sem obras no momento, está recebendo jogos com público de até 40 mil e deve estar completamente modernizado em dezembro de 2012.

Até junho, data da paralisação, o clube havia custeado com recursos próprios as fundações para a nova cobertura e parte de uma arquibancada inferior. Era o chamado modelo de “autofinanciamento”, que se tornou inviável, segundo a nota, porque nenhuma instituição financeira deu aval para a tomada de empréstimo.

Foi isso que teria levado o Internacional a procurar a Andrade Gutierrez, adotando o modelo de “parceria” para concluir as obras do Beira-Rio.

A nota afirma ainda que, mesmo se o clube tivesse queimado etapas para retomar as obras do estádio, não haveria garantias de que Porto Alegre recebesse a Copa das Confederações.

Confira a nota na íntegra

Nota oficial sobre as obras do Beira-Rio

O Sport Club Internacional vem por meio desta esclarecer os principais pontos sobre as obras do Beira-Rio em razão da decisão hoje da FIFA sobre as sedes da Copa das Confederações, em 2013, e da Copa do Mundo no Brasil, em 2014.

Andamento das obras

As obras no momento estão paradas porque o Clube está em fase final de negociação do contrato com a parceira Andrade Gutierrez. A paralisação da obra ocorreu porque, a partir do contrato, a parceira ficará responsável por toda a obra. Como há tempo hábil para que se realize as reformas até dezembro de 2012, e a construtora não ficaria responsável pelos custos antes da assinatura do contrato, o Clube interrompeu os trabalhos para não ter que pagar por algo que ficará sob ônus do futuro parceiro.

Razões para as obras estarem paradas

O Clube iniciou várias obras de reformas como fundações e demolição de uma parte da arquibancada porque acreditava que poderia executar todo o projeto no modelo de autofinanciamento. Ocorre que este modelo não se tornou viável porque todas as instituições financeiras procuradas não deram o aval necessário para o financiamento. Além disso, o montante arrecadado com a venda do Estádio dos Eucaliptos e o aluguel dos futuros camarotes não foi suficiente para que este modelo avançasse. Dessa forma, o Clube buscou a alternativa de um contrato com uma construtora parceira, que irá assumir todos os custos da obra em troca da exploração comercial de áreas que serão criadas no estádio, como edifício-garagem, novos camarotes e espaços vip por 20 anos.

Investimentos das obras x investimentos de futebol

O Clube seguirá investindo forte no seu departamento de futebol como sempre o fez. Todo o volume financeiro das obras e do contrato não se relaciona com a previsão orçamentária para o departamento de futebol. Durante as obras, o Clube seguirá mandando seus jogos no Beira-Rio, como o fez até hoje, mas com capacidade reduzida. Hoje está em torno de 40 mil lugares. Durante o ano de 2011, por exemplo, mesmo com as obras em andamento, o Clube disputou todos os seus jogos como mandante no Gigante, tendo conquistado inclusive dois títulos: Campeonato Gaúcho e Recopa Sul-Americana.

Duração das negociações com a construtora

As negociações com a Construtora Andrade Gutierrez para a elaboração do contrato de parceira por 20 anos começaram em maio, após aprovação pelo Conselho Deliberativo do novo modelo de negócio para as obras do Beira-Rio (o modelo da parceria). É um contrato longo e que irá repercutir nas próximas duas décadas no Inter, por isso estão sendo tomados todos os cuidados em busca do melhor possível para ambas as partes. Uma Comissão de Obras com colorados experientes e renomados em questões de contratos e obras foi criada. Escritórios jurídicos e de contabilidade dos mais qualificados do País foram contratados para a elaboração do modelo de negócio entre as duas partes. É imperioso dizer que especialistas neste tipo de contrato calculam de seis a oito meses o prazo comum para este tipo de acordo ser sacramentado. A negociação está, desta forma, dentro de um prazo normal.

Aceleração das negociações

O Clube poderia até queimar etapas para que já estivesse com as obras retomadas, mas isto não seria algo responsável por parte da direção. Não haveria garantias de que o estádio seria escolhido mesmo se as obras já estivessem retomadas. E a pressa poderia acarretar em problemas futuros. É bom lembrar que a Copa das Confederações e a Copa do Mundo se encerram em 2013 e 2014, respectivamente, enquanto o acordo do Inter com a Andrade Gutierrez avança por duas décadas. Nesse caso, a pressa poderia ser muito danosa para os envolvidos.

A obra do Beira-Rio, mais do que preparar para qualquer competição particular, vai deixar um legado para o Inter, para a torcida colorada e também para o cidadão porto-alegrense. Após a reforma, o Beira-Rio será um dos estádios mais modernos, confortáveis e seguros do Brasil e do Mundo, apto não só a receber os jogos da Copa do Mundo como também eventos de diversas naturezas.

O estágio do desenvolvimento do projeto

O Beira-Rio hoje, mesmo com as obras paralisadas, é um dos estádios em estágio mais avançado entre todas as cidades-sedes para a Copa do Mundo, uma vez que se trata de uma reforma e não de uma nova construção. Dessa forma, o estádio colorado tem todas as condições de estar pronto até 31 de dezembro de 2012.

Beira-Rio e Porto Alegre fora da Copa das Confederações

Por uma escolha política da Fifa e do Comitê Local da Copa. Das 12 sedes, de seis a oito teriam que ficar de fora, ou seja apenas quatro ou seis (Recife e Salvador estão em stand by no caso de suas obras fiquem prontas até o ano que vem) foram contempladas com a escolha para a competição que ocorre um ano antes do Mundial. Mesmo que o Beira-Rio seja a sede mais avançada, ficou de fora. É o único estádio, por exemplo, que está recebendo jogos. No domingo, por exemplo, 40 mil pessoas estarão no Gigante para assistir Inter e Corinthians, enquanto os futuros estádios da Copa das Confederações não têm as mínimas condições hoje de receber jogos.

Desejo de ser sede da Copa das Confederações

O Inter gostaria de ser sede da Copa das Confederações, mas o compromisso do Clube sempre foi com a Copa do Mundo, em 2014. O Clube nutria esperanças de ser uma das sedes, mas sabia que a concorrência seria muito difícil por envolver outras 11 concorrentes. Duas em cada três sedes da Copa do Mundo no Brasil ficaram de fora da Copa das Confederações. Outras duas podem ser incluídas se ficarem prontas até ano que vem. São Paulo, a cidade mais importante em termos econômicos do País, está fora, por exemplo. Mas isso não é o mais importante. O importante é que o Beira-Rio foi escolhido sim para a Copa do Mundo de 2014. Para se ter uma ideia do feito, dos 20 clubes da Série A, apenas três terão seus estádios no Mundial de 2014 (Inter, Corinthians e Atlético-PR). Este “vestibular” muito mais difícil e concorrido foi vencido pelo Inter, que será sede da Copa, evento muito superior em importância à Copa das Condederações.

Portal 2014

 

Prejuízos da perda da Copa

Vilson Noer, Presidente da CDL - Foto: EGÍDIO PANDOLFO / Divulgação

Um prejuízo incalculável. Assim reagiu o presidente da CDL Porto Alegre Vilson Noer diante da confirmação da tabela da Copa das Confederações, em junho de 2013, sem a inclusão da cidade.

Para o empresário seria a oportunidade de potencializar o turismo da Capital, tornando-a ainda mais conhecida em regiões que investem na participação em eventos globais como a Copa.

Além disso, Porto Alegre não poderá testar os investimentos em obras de infraestrutura que serão feitos para a Copa do Mundo de 2014.

“Todos perderemos. Será uma perda irreparável para os setores de comércio de bens e serviços. E o que talvez tenhamos mais a lamentar é que a responsabilização deste episódio não vai recair sobre aqueles que efetivamente deveriam dar uma resposta à sociedade gaúcha”, conclui Noer.

www.affonsoritter.com.br

A Copa da politicagem, por Hiltor Mombach

Luigi disse que “o objetivo sempre foi sediar a Copa do Mundo”. Não engana, presidente, que o torcedor não gosta. O Inter assinou termo de compromisso para sediar a Copa das Confederações. Queria a Copa das Confederações. Piffero está convicto de que o clube perdeu a competição ao parar a reforma do Beira-Rio, que ele começou. O ex-presidente concedeu entrevista (na íntegra no meu blog http://www.correiodopovo.com.br), onde diz: “Perdemos porque a construtora Andrade Gutierrez pediu para que o Inter parasse com a reforma e o clube atendeu. Ficamos de joelhos pedindo que a construtora se dignasse a assinar o contrato para reformar o estádio. Nós e o Rio Grande do Sul. Pergunto: será que ela quer mesmo reformar o estádio? Chega de tanta humilhação. Perdemos a Copa das Confederações e, do jeito como as coisas estão andando, vamos perder a Copa do Mundo”. O ex-vice Affatato é enfático: “A construtora quer hipotecar o clube”.

Há outro ingrediente nesta questão. Escrevi vai algum tempo: “Ouvi uma versão que repasso. A presidente Dilma é colorada e teria sugerido em recente reunião em Bruxelas a Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa, que gostaria de ver Porto Alegre como uma das sedes da Copa das Confederações. Valcke teria silenciado e dito depois que atenderia ao pedido desde que o contrato entre Inter e Andrade Gutierrez estivesse assinado. Pode ser verdade. Como pode não ser descabida uma outra versão, a de que Teixeira vai tirar a Copa das Confederações de Porto Alegre em retaliação ao descaso como vem sendo tratado pela presidente”.

Vejam o que escreveu Jamil Chade, correspondente do O Estado de S.Paulo em Zurique, ontem: “A Fifa e a CBF vão mandar nesta quinta-feira um recado claro de desagrado à presidente Dilma Rousseff por sua resistência em aprovar a Lei Geral da Copa atendendo às exigências das entidades esportivas. Nesta quinta, em Zurique, a Fifa anuncia o calendário do Mundial de 2014, com o anúncio de todos os jogos, sedes e quantidade de partidas em cada local. Mas, ofuscada pela crise declarada entre a Fifa e o governo, o evento vai escancarar a guerra. Como recado político, a Fifa vai barrar a participação do Beira-Rio em Porto Alegre da Copa das Confederações de 2013. Oficialmente, a entidade vai alegar que o problema é a falta de um contrato para as obras no estádio na capital gaúcha. Mas usará a ocasião para mostrar que pode mesmo punir o governo se o Palácio do Planalto mantiver sua postura de resistência às leis da Fifa”.

Dias atrás ouvi que o Inter seria excluído da Copa das Confederações por não ter enviado para a Fifa o cronograma da reforma. Trata-se de um caso onde o papel seria mais importante do que a obra, pois o Beira-Rio existe. De tudo o que eu ouvi, e posso não ter ouvido tudo, concluo: a política jogou mais alto. Mesmo em reforma a todo vapor, o Beira-Rio perderia a concorrência para uma arena projetada para ser construída em Marte desde os marcianos cumprissem o ritual financeiro, dos “interésses”. Para completar: o Rio pode ficar sem ver a Seleção Brasileira na Copa do Mundo. Que país é este que permite tal disparate da bandida Fifa?

Hiltor Mombach – Correio do Povo

Construção no Humaitá cresce como plano B para sediar a Copa do Mundo de 2014

Indefinições no Beira-Rio podem causar mudança de estádio na Capital para receber a competição de 2014.

Filipe Limas/Da redação

Porto Alegre – As indefinições em relação às obras do Beira-Rio podem levar a Copa para a Arena do Grêmio. O presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Noveletto, revelou que o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, deve dar um ultimato ao Inter. “A preocupação dele é com o Rio Grande do Sul ficar fora da Copa. Nós vamos chamar o Inter e ele vai dar uma data limite ao clube”, disse. Se não for assinado contrato do clube com a Andrade Gutierrez, Noveletto disse que existe a possibilidade de se falar com o Grêmio para a Arena ser o estádio gaúcho na competição. “Depois, tem que começar tudo do zero”, alertou. O prefeito de PortoAlegre também admitiu a possibilidade do estádio gremista receber os jogos. “Vamos deixar uma coisa muito clara: Porto Alegre não ficará sem jogos da Copa do Mundo.” Fortunati fez questão de ressaltar que o Beira-Rio segue como aposta da cidade, mas não descartou a mudança. “Se o Conselho do Sport Clube Internacional decidir, de forma soberana, que não irá fazer a reforma do Gigante da Beira-Rio, a cidade não vai perder a Copa do Mundo. A cidade vai buscar o plano B. Qual é o plano B? É a realização da Copa do Mundo na Arena do Grêmio”.

RECURSOS ENCAMINHADOS

O plano B inclusive já tem possibilidades de verbas para obras de mobilidade. Segundo Fortunati, a bancada gaúcha em Brasília já trabalha para criar duas emendas que destinam R$ 31 milhões e R$ 34 milhões para ampliar vias próximas ao novo estádio gremista.“Com isso nós teríamos recursos suficientes para bancarmos todas as obras de mobilidade do entorno da nova Arena”, comentou. O prefeito também explicou que R$ 20 milhões já estão garantidos desde o ano passado e estão em fase de liberação.

Jornal NH

Autoridades lamentam a perda da Copa das Confederações

Com reformas paralisadas, Beira-Rio não será sede da Copa das Confederações JOÃO MATTOS/JC

Depois da confirmação de que Porto Alegre não receberá os jogos da Copa da Confederações, o Internacional divulgou nota oficial, na tarde desta quinta-feira (20) sobre o episódio. No texto, o clube reafirma que as obras no Estádio Beira-Rio estão paradas em função do processo de negociação com a construtora responsável pelo projeto.

“A paralisação da obra ocorreu porque, a partir do contrato, a parceira ficará responsável por toda a obra. Como há tempo hábil para que se realize as reformas até dezembro de 2012, e a construtora não ficaria responsável pelos custos antes da assinatura do contrato, o Clube interrompeu os trabalhos para não ter que pagar por algo que ficará sob ônus do futuro parceiro”, diz a nota.

Em entrevista concedida a emissoras de rádio o presidente do Internacional, Giovanni Luigi, garantiu que a intenção do clube não era a sediar a competição que acontece em 2013 em pelo menos quatro cidades do País. “Nos candidatamos para receber os jogos da Copa do Mundo e a Fifa confirma em seu site que o Estádio Beira-Rio terá cinco jogos”, declarou. Luigi não detalhou o andamento das negociações do contrato com a empreiteira Andrade Gutierrez e não quis comentar a respeito de novos prazos para o reinício da obras.

Em declaração concedida à Rádio Gaúcha, o governador Tarso Genro lamentou o corte de Porto Alegre da Copa das Confederações. “Trabalhamos para que a Copa das Confederações fosse possível. É lamentável que isso tenha acontecido, mas certamente este é um problema que envolve o Internacional”, disse o governador.

Tendo em vista o efeito dos atrasos nas obras, o prefeito da Capital, José Fortunati, afirmou que não trabalha com a hipótese de que a Copa do Mundo não seja realizada no Beira-Rio, mas admite a existência de um “plano B”. Segundo ele, até que a Fifa diga o contrário, a Copa do Mundo será disputada no Estádio Beira-Rio. No entanto, ele afirma que Porto Alegre será sede do evento e, caso o Internacional não resolva o impasse, a competição poderá acontecer no estádio do rival Grêmio, que já está em fase avançada de construção.

“Se o Estádio Beira-Rio não ficar pronto existe um plano B, Este plano B se chama Arena do Grêmio”, defendeu.

Questionado a respeito das obras de mobilidade urbana exigidas pela FIFA no entrono dos Estádios, Fortunati disse não haver problemas em levantar investimentos para os projetos necessários nas proximidades da arena.

O prefeito chegou a citar o esforço conjunto da bancada gaúcha no Congresso Nacional para incluir verbas de R$ 65 milhões no Orçamento de 2012 para obras de Mobilidade Urbana na cidade.

A Fifa divulgou, no início da tarde desta quinta-feira (20), em Zurique, Suíça, quais serão as sedes da Copa das Confederações de 2013 no Brasil. Apenas quatro sedes foram confirmadas oficialmente: Rio de Janeiro, Brasília, Fortaleza e Belo Horizonte. Enquanto outras duas, Recife e Salvador, dependem da conclusão dos estádios para receber a competição. Porto Alegre ficou de fora da lista.

Sobre o anúncio, José Fortunati afirmou que a decisão foi da entidade máxima do futebol foi política. “Se duas cidades ficaram em suspenso, Porto Alegre deveria ter ficado na mesma situação”, declarou.

Durante o evento, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou: “Esse torneio é decisivo para um resultado próspero para a Copa do Mundo”. Apesar da indefinição sobre as sedes, a Fifa já definiu os palcos dos principais jogos da Copa das Confederações. Assim, Brasília terá a abertura do torneio em 2013, enquanto o Rio ficará com a grande final. Belo Horizonte e Fortaleza irão receber uma semifinal cada um.

Jornal do Comércio

AGORA A ARENA DO GRÊMIO É O PLANO A !

Que história é essa de permanecer a Arena do Grêmio como Plano B ????

Não cumpriu com a proposta inicial de sediar a Copa das Confederações? Deveria perder a chance para a Copa do Mundo 2014.

Copa na Arena do Grêmio !

PLANO A = ARENA DO GRÊMIO

Chega de GRENAL !

O que ter que ser avaliado agora é tecnicamente  quem está com melhores condições de entregar a obra a tempo de sediar a Copa.

Luigi: “Objetivo sempre foi sediar a Copa do Mundo”

Presidente do Inter minimizou a perda da Copa das Confederações

Objetivo do Inter sempre foi ser sede da Copa do Mundo, conforme Luigi Crédito: Fabiano do Amaral

O presidente do Inter, Giovanni Luigi, quebrou o silêncio na tarde desta quinta-feira e minimizou o fato de que Porto Alegre tenha ficado de fora da Copa das Confederações. “O objetivo sempre foi sediar a Copa do Mundo”, afirmou ele, em entrevista coletiva.

O dirigente mostrou-se convicto que o Mundial será no estádio Beira-Rio, ainda que o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Novelletto, tenha revelado ao Correio do Povo na manhã de hoje que a CBF já cogita transferir os jogos da Copa para a Arena do Grêmio. “Está no site da Fifa: o Beira-Rio é o estádio da Copa do Mundo, inclusive superando os quatro jogos – nós teremos mais um”, disse.

Luigi defendeu a cautela adotada pelo Inter em relação ao contrato com a construtora Andrade Gutierrez. “Eu não posso assumir um contrato de 20 anos sem dirimir todas as condições”, justificou. “Existem cláusulas que continuam sendo discutidas. Isso é normal.”

Para ele, após a confirmação de que Porto Alegre não será sede da Copa das Confederações, o Inter ganhou tempo: “Existe um bom prazo para que a gente tenha as condições necessárias de tocar essa obra”.

Em nota, Inter não lamenta perda

Minutos antes da coletiva de Luigi, o Inter divulgou uma nota oficial sobre as obras no Beira-Rio. Dividido em oito partes, o comunicado em momento algum lamenta a ausência da Capital na relação das cidades-sede da Copa das Confederações, embora registre que o clube “gostaria muito de receber” o evento de 2013 e que a escolha se deu por “decisão política”.

Em defesa ao Beira-Rio, o Inter afirma que o estádio é o mais avançado para a Copa do Mundo e o único que está recebendo jogos – o que não é verdade, já que a Arena da Baixada, em Curitiba, está sediando partidas do Brasileirão. Contudo, a nota destaca que o estádio “tem todas as condições de estar pronto até 31 de dezembro de 2012”.

Correio do Povo

____________________________________

Que cara de pau !!!!

Agora é fácil falar né ?

Por que não largou a responsabilidade antes ?

Ao meu ver deveria ser transferida a Copa do Mundo 2014 para a ARENA DO GRÊMIO, uma vez que o Inter não cumpriu com o contrato inicial que também previa a Copa das Confederações. A cidade lamenta profundamente, um evento que ia trazer reconhecimento e muitas divisas por parte dos turistas.

Seria uma premiação pro clube que tirou da cidade um evento do porte da Copa das Confederações ?????

O Blog Porto Imagem agora inicia uma campanha para a Copa ser na Arena ! Chega de incompetência !!!

Luigi mente ao dizer que o Inter ficou sabendo há pouco sobre a possibilidade de sediar a Copa das Confederações

No site do Governo Estadual, consta o Termo de Compromisso assinado pelo Internacional, se obrigando com a Copa das Confederações e com a Copa do Mundo:

Para quem não sabe, hoje o Presidente do Internacional, Luigi, disse que “o Inter tem compromisso só com a Copa do Mundo” e que ficou sabendo só há pouco tempo sobre a possibilidade de sediar a CC.

Mentira, o documento foi assinado em janeiro de 2010.

O DOCUMENTO

Link original do site do Governo do Estado com o documento acima, em pdf:

http://www.estado.rs.gov.br/portoalegre2014/anexos/termoResponsabilidade.pdf

Setor de serviços de Porto Alegre lamenta perda da Copa das Confederações

Sindicato da Hotelaria e Gastronomia classifica notícia como “balde de água fria”

A perda da Copa das Confederações já repercute entre os setor de serviços de Porto Alegre. O anúnicio oficial da Fifa, previsto para o início da tarde (horário de Brasília), apenas ratifica que a capital gaúcha não receberá as partidas em função do não andamento – e da ausência de garantias até o momento – das obras no Estádio Beira-Rio.

Leia a matéria completa no Jornal Zero Hora.

 

Piffero: “Chega de tanta humilhação. Perdemos a Copa das Confederações e, do jeito como as coisas estão andando, vamos perder a Copa do Mundo”

O ex-presidente do Inter, Vitorio Piffero, que começou a reforma do Beira-Rio, mostra-se indignado com o fato de Porto Alegre ter ficado de fora da Copa das Confederações e conclama o povo gaúcho a se unir para evitar o pior, que seria a cidade ficar sem a Copa do Mundo.

“Vou dizer porque perdemos a Copa das Confederações. Perdemos porque a construtora Andrade Gutierrez pediu para que o Inter parasse com a reforma e o clube atendeu. Temos R$ 20 milhões em caixa. Daria para terminar a arquibancada inferior e os camarotes. Ficamos de joelhos pedindo que a Andrade Gutierrez se dignasse a assinar o contrato para reformar o estádio. Nós e o Rio Grande do Sul. Pergunto: será que a Andrade Gutierrez quer mesmo reformar o estádio? Chega de tanta humilhação. Perdemos a Copa das Confederações e, do jeito como as coisas estão andando, vamos perder a Copa do Mundo. Agora sabemos a dor que é perder uma competição como a Copa das Confederações. A dor será maior quando o Rio Grande do Sul perder a Copa do Mundo. Não adianta cogitar a Arena como plano B. A Fifa já disse que não há plano B. O Rio Grande do Sul tem que se unir neste momento. Os políticos têm que ajudar. O governo gaúcho tem que ajudar. Chegou a hora do Banrisul dar garantias de que o Inter pode reformar o estádio com dinheiro próprio. Perdemos a Copa das Confederações mas ganhamos tempo para aprofundar o debate sobre o assunto. E tem mais. Depois da assinatura do contrato entre Inter e Andrade Gutierrez, se é que tal contrato será assinado, ele terá que ser submetido ao Conselho Deliberativo.”

Piffero questiona ainda se vale tanto esforço para o Beira-Rio sediar quatro jogos da primeira fase da Copa do Mundo e um das oitavas de final.

Blog do Hiltor Mombach – Correio do Povo

Porto Alegre terá cinco jogos do Mundial de 2014

Cidade não receberá a Seleção Brasileira e está fora da Copa das Confederações

Porto Alegre terá cinco jogos da Copa do Mundo de 2014, conforme anunciado pela Fifa nesta quinta-feira, em Zurique, na Suíça. A capital gaúcha não receberá nenhuma partida da Seleção Brasileira. Dos confrontos em solo gaúcho, quatro são da fase de grupos e o último das oitavas de final. O estádio Beira-Rio, sede escolhida pela Fifa, ainda sequer foi selecionado para a Copa das Confederações, que será em 2013.

Confira: a tabela completa da Copa 2014

A grande final do Mundial de 2014 será disputada, como já era esperado, no Rio de Janeiro, no Maracanã. A abertura foi confirmada em São Paulo, no futuro estádio do Corinthians, o Itaquerão. As semifinais foram programadas para São Paulo e Belo Horizonte, no Mineirão. Já a decisão do terceiro lugar será em Brasília.

Como anfitrião, o Brasil é o país A1 da Copa e, com isso, já sabe o seu roteiro: São Paulo, Fortaleza e Brasília, na primeira fase. Caso avance em primeiro do grupo e se classifique à final, jogará em Belo Horizonte, Fortaleza e Belo Horizonte novamente. Se passar em segundo, a Seleção entra em campo em Fortaleza, Salvador e São Paulo.

Na Copa-2014, Porto Alegre vai até as oitavas de final

Conforme anunciou a Fifa, Porto Alegre receberá os seus cinco jogos em junho, nos dias 15 (grupo E), 18 (grupo B), 22 (grupo H), 25 (grupo F) e 30 (cruzamento do 1º do grupo G contra o segundo do grupo H).

Copa das Confederações

Porto Alegre perdeu força por conta do atraso nas obras do estádio Beira-Rio e está oficialmente fora da Copa das Confederações. Fortaleza, Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte já foram confirmadas pela Fifa, nesta quinta-feira, como cidades-sede do evento. Se respeitarem o cronograma das obras, Recife e Salvador também podem integrar a lista.

Enquanto isso, com mais de 100 dias de obras paradas, o Inter divulgou hoje um comunicado afirmando que teve uma “reunião produtiva” com a construtora Andrade Gutierrez, que será a responsável por tocar as reformas no estádio Beira-Rio. No entanto, o clube não projetou uma dta para a assinatura do contrato.

Confira o que cada uma das 12 sedes receberá na Copa:

Rio (Maracanã) – 4 jogos da primeira fase, 1 das oitavas, 1 das quartas e a final

Brasília (Estádio Nacional) – 4 jogos da primeira fase, 1 das oitavas, 1 das quartas e a disputa do terceiro lugar

São Paulo (Itaquerão) – 4 jogos da primeira fase (incluindo a abertura), 1 das oitavas e 1 da semifinal

Belo Horizonte (Mineirão) – 4 jogos da primeira fase, 1 das oitavas e 1 da semifinal

Fortaleza (Castelão) – 4 jogos da primeira fase, 1 das oitavas e 1 das quartas

Salvador (Fonte Nova) – 4 jogos da primeira fase, 1 das oitavas e 1 das quartas

Porto Alegre (Beira-Rio) – 4 da primeira fase e 1 das oitavas

Recife (Arena Pernambuco) – 4 da primeira fase e 1 das oitavas

Curitiba (Arena da Baixada) – 4 jogos da primeira fase

Manaus (Arena Amazônia) – 4 da primeira fase

Natal (Arena das Dunas) – 4 da primeira fase

Cuiabá (Arena Pantanal) – 4 da primeira fase

Correio do Povo

Arena pode ser opção para o Mundial, revela presidente da CBF a Novelletto

Porto Alegre não deve ser sede da Copa das Confederações

O presidente da Federação Gaúcha de Futebol (FGF), Francisco Novelletto, revelou, nesta quinta-feira, a insatisfação do mandatário da CBF, Ricardo Teixeira, com o comportamento do Inter em relação à reforma do Beira-Rio para a Copa das Confederações. Em entrevista ao site do Correio do Povo nesta quinta-feira, Novelletto disse que conversou nessa quarta-feira à noite com o dirigente da CBF. Na conversa, Teixeira teria dado a entender que se o Colorado não agilizar as obras do estádio, Porto Alegre terá uma nova sede para a Copa do Mundo de 2014: a Arena. “O que ele me disse foi o seguinte: ‘Se o Inter continuar com essa enrolação, nós iremos para cima do Grêmio.’ ‘

Segundo Novelletto, Teixeira deixou claro que, somente por um milhagre, a Capital seria a sede da Copa das Confederações. “Se depender da Fifa, Porto Alegre pode até ser cortada da Copa do Mundo, porque, para eles (oraganizadores), quanto menos estádios, melhor. Eles gastam menos. A Fifa trabalhava com a proposta inicial de oito estádios para o Mundial”, explicou.

O presidente da FGF acredita que, caso a CBF decida trocar o Beira-Rio pela Arena do Grêmio, será preciso fazer uma nova campanha política junto à Fifa. “Hoje o estádio gaúcho da Copa do Mundo é o Beira-Rio, mas se esse ritmo lento persistir, isso pode mudar. No momento, a entidade pouco sabe sobre o novo estádio gremista, porque fez uma avaliação há quatro anos”, disse.

O anúncio oficial das cidades-sede da Copa das Confederações sairá na tarde desta quinta-feira, em Zurique, na Suíça, mas já há uma sensação de derrota em Novelletto. “O Teixeira estava visivelmente irritado, porque fizeram pressão em cima dele, mas, na realidade, pressionaram a pessoa errada. Era o Inter que deveria ser induzido a apressar a documentação. Para a Fifa, não há promessas. Eles querem documentos e contratos e isso não existe no que diz respeito às obras do Beira-Rio”, acrescentou.

“Ontem, passei a tarde inteira tentando falar com o Luigi (presidente do Inter). Parece que estão se escondendo. Conseguimos estender a apresentação de garantias, só que esse contrato entre Inter e Andrade Gutierrez está para ser assinado há um ano. Sem a Copa das Confederações, perdemos projeção e vamos chupar bala”, lamentou.

Correio do Povo

Internacional ainda sonha com a Copa das Confederações

Capital pernambucana é forte candida a ganhar vaga de Porto Alegre 

De olho em Zurique, na Suíça, dirigentes colorados alimentam a esperança de ver o estádio Beira-Rio e Porto Alegre entre as sedes da Copa das Confederações de 2013. Não ter ainda o contrato firmado com a construtora Andrade Gutierrez para a reforma de R$ 290 milhões do estádio pode não ser o maior complicador na reta final da escolha, a ser anunciada amanhã pela Federação Internacional de Futebol (Fifa). Fontes locais acreditam que a decisão será baseada em critérios mais subjetivos, entre os quais o fator político.

Pré-teste para o Mundial do ano seguinte, a competição é sinônimo também de receita com a atração de visitantes. Como o Uruguai estará na disputa, a crença dos gaúchos é de que a Fifa vai querer posicionar a seleção vizinha mais perto de sua torcida. Além das sedes de 2013, a reunião da federação define oficialmente as chaves e como serão as etapas para o Mundial de 2014, incluindo abertura. O presidente regional do Sindicato Nacional da Arquitetura e Engenharia (Sinaenco) em São Paulo e coordenador da entidade para as obras da Copa, José Roberto Bernasconi, aponta que obras de três estádios preocupam mais.

No grupo, estão o Beira-Rio (reforma parada), a arena da Baixada (sem definição da construtora que tocará o projeto) do Atlético do Paraná, e a de Natal (Machadinho), que não saiu do chão. “No caso do Inter, pode pesar esta indefinição. Era importante ter obra andando”, avalia o dirigente. “Mas a construtora Andrade Gutierrez tem capacidade para cumprir os prazos”, afirmou o coordenador do evento no Sinaenco. Diante do impasse, ganham mais fôlego Recife, Salvador e Fortaleza.

A capital pernambucana pode ser a maior ameaça à pretensão porto-alegrense. Até a proximidade entre o governador pernambucano, Eduardo Campos, e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, que também preside o Comitê Organizador Local (COL) da Copa, indicariam uma vantagem em relação à Capital gaúcha. De outro lado, apoios como o da presidente Dilma Rousseff, torcedora do Inter, pode não ter grande efeito ante uma relação nada amistosa com Teixeira.

Na sexta-feira passada, quando Dilma veio anunciar o metrô da Capital, o governador Tarso Genro ligou para o presidente da CBF e pediu 60 dias para o clube arranjar seu contrato. “Ele disse que ia pensar”, reproduziu uma fonte. “O estádio pernambucano está no começo, e o do Inter está pronto. Só falta a conclusão das arquibancadas inferiores e ajustes nos vestiários. Mas isso pode não significar nada”, contrastou outra fonte. Na direção colorada, o presidente Giovanni Luigi assegura não ter carta na manga e aposta que não será a inexistência de acordo com a construtora que irá afastar a competição. “Espero que a decisão seja técnica e não política”, projeta Luigi. O clube também se agarra ao fato de a Fifa nunca ter exigido a assinatura do contrato como requisito para 2013.

O presidente do Conselho Deliberativo, Luiz Carlos Bortolini, faz coro a Luigi sobre as chances do Beira-Rio. “Temos condições plenas. Nosso contrato será firmado com cautela e todo cuidado para evitar contratempos na execução”, ressaltou Bortolini. A expectativa é começar a tramitar a minuta do documento nos conselhos até o fim do mês. “Há muitos interesses envolvidos, entre políticos, técnicos e financeiros, na definição da Copa das Confederações. Não sei qual pesará mais”, pondera Bortolini.

Patrícia Comunello – Jornal do Comércio

“Ainda não joguei a toalha”, diz Fortunati sobre Copa das Confederações

Prefeito de Porto Alegre afirmou que documento sobre situação do Beira-Rio foi enviado à Fifa

O Inter e a construtora Andrade Gutierrez ainda não assinaram o contrato que consolida o início da reforma no Beira-Rio para a Copa das Confederações, que ocorrerá em 2013. Com isso, surgem especulações de que o estádio poderá ficar de fora da competição organizada pela Fifa. No entanto, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, não perdeu as esperanças de ver o evento realizado na capital gaúcha. “Eu ainda não joguei a toalha nessa questão. Eu conheço o parecer técnico da Fifa, que colocava o nosso município como uma das cidades-sede do torneio”, resumiu em entrevista à Rádio Guaíba.

Fortunati revelou que os governos municipal, estadual e federal trabalham em conjunto para trazer a Copa das Confederações para Porto Alegre. “Eu e o governador Tarso Genro mandamos um ofício para a Fifa para deixar claro à entidade que o que precisa ser feito no Beira-Rio são coisas simples em termos de engenharia”, disse. “Informamos que, depois que o contrato for assinado, o prazo que a Fifa deu para deixar o Beira-Rio pronto será cumprido”, acrescentou.

O prefeito justificou a demora após as eleições para presidente do Inter: “Ocorreu uma troca na maneira de realizar a obra. A modelagem é complexa e precisa passar pela apreciação dos conselheiros do clube. Isso leva tempo.”

Nesse domingo, o secretário extraordinário da Copa 2014, João Bosco Vaz, informou, de forma extra-oficial, que um representante da Andrade Gutierrez irá viajar a Suíça para comunicar pessoalmente para a direção da Fifa que a reforma do estádio Beira-Rio estará pronta para a Copa das Confederações.

Ao saber dessa possibilidade, o presidente do Inter aprovou a iniciativa da construtora. “É sinal de que a Andrade Gutierrez está interessada em deixar claro que o prazo para a realização da obra será cumprido”, analisou Giovanni Luigi.

Correio do Povo

_______________________

Poe a Arena do Grêmio no lugar do Beira-Rio duma vez prefeito !

Confirmado: Itaquerão abrirá a Copa de 2014

Anúncio oficial será feito na próxima quinta (20); Porto Alegre é cortada da Copa das Confederações 

Maquete virtual do estádio de Itaquera, sede da abertura da Copa (crédito: CDC Arquitetos)

No próximo dia 20 de outubro, às 12h50 (horário de Brasília), o estádio do Corinthians em Itaquera será anunciado como sede da abertura do Mundial de 2014. De acordo com fontes ligadas à Fifa, o anúncio de Itaquera será feito com ressalvas, relacionadas ao andamento das obras do estádio.

A entidade que chegou a avaliar a possibilidade de adiar mais uma vez o anúncio da abertura resolveu cumprir a data como um voto de confiança à construtora Odebrecht, que além do Itaquerão participa da construção de outros três estádios para o Mundial de 2014.

A notícia dada por este blog na semana passada de que Brasília sediará a abertura e Belo Horizonte a final da Copa das Confederações também foi confirmada. A grande surpresa do anúncio deverá ser a exclusão de Porto Alegre como sede da Copa das Confederações.

Sem assinar contrato com a Andrade Gutierrez, as obras do Beira-Rio seguem paradas e não há possibilidade de usar a Arena do Grêmio para realização do torneio-teste em 2013.

A vaga de Porto Alegre deverá ser ocupada pelo estádio do Castelão, em Fortaleza. O Rio de Janeiro, que havia sido apontado em maio pela tevê Globo como a quinta sede escolhida, também pode ficar de fora.

Com o fim do mistério, a entidade espera que cada cidade cumpra com suas obrigações, pois uma mudança nos planos daqui para frente atrapalhará toda logística montada para os eventos de 2013 e 2014.

Rodrigo Prada / Blog Tira-teima* – São Paulo

Portal 2014

Pressão para garantir a Copa das Confederações em Porto Alegre

Governos estadual e municipal conversarão hoje com Dilma Rousseff e Ricardo Teixeira

Os governos municipal e estadual estão se mobilizando para ainda nesta sexta-feira pressionar a presidente Dilma Rousseff e o presidente da CBF, Ricardo Tiexeira, no sentido de garantir a realização da Copa das Confederações em Porto Alegre, mais precisamente no estádio Beira-Rio.

Extra-oficialmente há uma informação de que a presidente Dilma teria sugerido a Jérôme Valcke, secretário geral da Fifa, na reunião que tiveram recentemente em Bruxelas, que gostaria de ver a Copa das Confederações ser realizada na capital gaúcha. Jérôme Valcke teria silenciado e dito depois para alguém da delegação brasileira que atenderia o pedido de Dilma desde que o contrato entre Inter e Andrade Gutierrez estivesse assinado.

Em recente entrevista ao Correio do Povo, o vice-presidente do Inter, Anápio Gomes, afirmou que a decisão de marcar a Copa das Confederações para Porto Alegre será política e não passará pelo começo ou não da reforma do Beira-Rio.

Blog do Hiltor Mombach – Correio do Povo

________________

Será que agora adianta ? Tomara !